Objetivo de Jesus; O Grande Mandamento; Os Falsos Profetas

18 out

Objetivo de Jesus

 

Qual o verdadeiro objetivo de Jesus ?

 

Ser o mediador entre Deus e os homens, através da nova Aliança, onde, os seus ensinamentos são todos de AMOR A DEUS E AO PRÓXIMO.

 

I Timóteo 2: 5 – Porquanto há um só Deus e um só Mediador entre Deus e os homens, Cristo Jesus, homem,


Hebreus 12: 24 – e a Jesus, o Mediador da nova aliança, ao sangue da aspersão que fala coisas superiores ao que fala o próprio Abel.

 

João 12: 49 -50

49Porque eu não tenho falado por mim mesmo, mas o Pai, que me enviou, esse me tem prescrito o que dizer e o que anunciar.

50 – E sei que o seu mandamento é a vida eterna. As coisas, pois, que eu falo, como o Pai mo tem dito, assim falo.

 

João 13: 34 – 35

34Novo mandamento vos dou:

 

que vos ameis uns aos outros; assim como eu vos amei, que também vos ameis uns aos outros.

 

35 – Nisto conhecerão todos que sois meus discípulos: se tiverdes amor uns aos outros.

 

João 15 : 12 e 17 – Jesus nos MANDA amar o próximo.

 

12 – O meu mandamento é este: que vos ameis uns aos outros, assim como eu vos amei.

 

17 – Isto vos mando: que vos ameis uns aos outros.

 

João 17: 8 porque eu lhes tenho transmitido as palavras que me deste, e eles as receberam, e verdadeiramente conheceram que saí de ti, e creram que tu me enviaste.

 

Em O Evangelho segundo o Espiritismo Cap. I – Não Vim Destruir a Lei – Cristo, recebemos o seguinte ensinamento sobre Jesus :

 

O Cristo

 

3. Jesus não veio destruir a lei, isto é, a lei de Deus; veio cumpri-la, isto é, desenvolvê-la, dar-lhe o verdadeiro sentido e adaptá-la ao grau de adiantamento dos homens.

 

Por isso é que se nos depara, nessa lei, o principio dos deveres para com Deus e para com o próximo, base da sua doutrina.

 

Quanto às leis de Moisés, propriamente ditas, ele, ao contrário, as modificou profundamente, quer na substancia, quer na forma.

 

Combatendo constantemente o abuso das práticas exteriores e as falsas interpretações, por mais radical reforma não podia fazê-las passar, do que as reduzindo a esta única prescrição:

 

“Amar a Deus acima de todas as coisas e o próximo como a si mesmo”, e acrescentando: aí estão a lei toda e os profetas.

 

Por estas palavras: “O céu e a Terra não passarão sem que tudo esteja cumprido até o último iota”, quis dizer Jesus ser necessário que a lei de Deus tivesse cumprimento integral, isto é, fosse praticada na Terra inteira, em toda a sua pureza, com todas as suas ampliações e conseqüências.

 

Efetivamente, de que serviria haver sido promulgada aquela lei, se ela devesse constituir privilégio de alguns homens, ou, sequer, de um único povo?

Sendo filhos de Deus todos os homens, todos, sem distinção nenhuma, são objeto da mesma solicitude.

 

4. Mas, o papel de Jesus não foi o de um simples legislador moralista, tendo por exclusiva autoridade a sua palavra.

 

Cabia-lhe dar cumprimento às profecias que lhe anunciaram o advento; a autoridade lhe vinha da natureza excepcional do seu Espírito e da sua missão divina.

 

Ele viera ensinar aos homens que a verdadeira vida não é a que transcorre na Terra e sim a que é vivida no reino dos céus;

 

viera ensinar-lhes o caminho que a esse reino conduz, os meios de eles se reconciliarem com Deus e de pressentirem esses meios na marcha das coisas por vir, para a realização dos destinos humanos.

 

Entretanto, não disse tudo, limitando-se, respeito a muitos pontos, a lançar o gérmen de verdades que, segundo ele próprio o declarou, ainda não podiam ser compreendidas. Falou de tudo, mas em termos mais ou menos implícitos.

 

Para ser apreendido o sentido oculto de algumas palavras suas, mister se fazia que novas ideias e novos conhecimentos lhes trouxessem a chave indispensável, ideias que, porém, não podiam surgir antes que o espírito humano houvesse alcançado um certo grau de madureza.

A Ciência tinha de contribuir poderosamente para a eclosão e o desenvolvimento de tais ideias. Importava, pois, dar à Ciência tempo para progredir.

 

 

O Grande Mandamento

 

Mateus 22: 36 -40

36 – Mestre, qual é o grande mandamento na Lei?

 

37 – Respondeu-lhe Jesus: Amarás o Senhor, teu Deus, de todo o teu coração, de toda a tua alma e de todo o teu entendimento.

 

38Este é o grande e primeiro mandamento.

 

39 – O segundo, semelhante a este, é: Amarás o teu próximo como a ti mesmo.

40 Destes dois mandamentos dependem toda a Lei e os Profetas.

 

Se Jesus não tivesse vindo ao mundo, e enfrentado todo o sofrimento, que sabia que iria passar, e, sem aquele ato de renúncia, abnegação e amor, não conheceríamos o Deus verdadeiro, o Deus Amor , através dos seus ensinamentos.   

  
Jesus veio nos salvar, sim, mas para isto, temos que cumprir o GRANDE MANDAMENTO: Amar a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a nós mesmos.

 

E Jesus disse ainda:

 

25  E eis que certo homem, intérprete da Lei, se levantou com o intuito de pôr Jesus à prova e disse-lhe:

 Mestre, que farei para herdar a vida eterna?

 

26  Então, Jesus lhe perguntou: Que está escrito na Lei? Como interpretas?

27  A isto ele respondeu: Amarás o Senhor, teu Deus, de todo o teu coração, de toda a tua alma, de todas as tuas forças e de todo o teu entendimento; e: Amarás o teu próximo como a ti mesmo.

28  Então, Jesus lhe disse: Respondeste corretamente; faze isto e viverás.

 

29  Ele, porém, querendo justificar-se, perguntou a Jesus:

Quem é o meu próximo?

 

30  Jesus prosseguiu, dizendo: Certo homem descia de Jerusalém para Jericó e veio a cair em mãos de salteadores, os quais, depois de tudo lhe roubarem e lhe causarem muitos ferimentos, retiraram-se, deixando-o semimorto.

 

31  Casualmente, descia um sacerdote por aquele mesmo caminho e, vendo-o, passou de largo.

 

32  Semelhantemente, um levita descia por aquele lugar e, vendo-o, também passou de largo.

 

33  Certo samaritano, que seguia o seu caminho, passou-lhe perto e, vendo-o, compadeceu-se dele.

34  E, chegando-se, pensou-lhe os ferimentos, aplicando-lhes óleo e vinho; e, colocando-o sobre o seu próprio animal, levou-o para uma hospedaria e tratou dele.

35  No dia seguinte, tirou dois denários e os entregou ao hospedeiro, dizendo: Cuida deste homem, e, se alguma coisa gastares a mais, eu to indenizarei quando voltar.

 

36  Qual destes três te parece ter sido o próximo do homem que caiu nas mãos dos salteadores?

 

 

37  Respondeu-lhe o intérprete da Lei: O que usou de misericórdia para com ele.

Então, lhe disse: Vai e procede tu de igual modo.

 

Em O Evangelho segundo o Espiritismo – Cap. XI – Amar o Próximo como a Si Mesmo – itens 4 e 8 recebemos os seguintes ensinamentos:

 

4. “Amar o próximo como a si mesmo: fazer pelos outros o que quereríamos que os outros fizessem por nós”, é a expressão mais completa da caridade, porque resume todos os deveres do homem para com o próximo.

 

Não podemos encontrar guia mais seguro, a tal respeito, que tomar para padrão, do que devemos fazer aos outros, aquilo que para nós desejamos.

 

Com que direito exigiríamos dos nossos semelhantes melhor proceder, mais indulgência, mais benevolência e devotamento para conosco, do que os temos para com eles?

 

A prática dessas máximas tende à destruição do egoísmo.

 

Quando as adotarem para regra de conduta e para base de suas instituições, os homens compreenderão a verdadeira fraternidade e farão que entre eles reinem a paz e a justiça.

 

Não mais haverá ódios, nem dissensões, mas, tão-somente, união, concórdia e benevolência mútua.

 

8. O amor resume a doutrina de Jesus toda inteira, visto que esse é o sentimento por excelência, e os sentimentos são os instintos elevados à altura do progresso feito.

 

Em sua origem, o homem só tem instintos; quando mais avançado e corrompido, só tem sensações; quando instruído e depurado, tem sentimentos.

 

E o ponto delicado do sentimento é o amor, não o amor no sentido vulgar do termo, mas esse sol interior que condensa e reúne em seu ardente foco todas as aspirações e todas as revelações sobre-humanas.

 

A lei de amor substitui a personalidade pela fusão dos seres; extingue as misérias sociais.

 

Ditoso aquele que, ultrapassando a sua humanidade, ama com amplo amor os seus irmãos em sofrimento! ditoso aquele que ama, pois não conhece a miséria da alma, nem a do corpo.

 

Tem ligeiros os pés e vive como que transportado, fora de si mesmo. Quando Jesus pronunciou a divina palavra -amor, os povos sobressaltaram-se e os mártires, ébrios de esperança, desceram ao circo. Lázaro. (Paris, 1862.)

 

 

Em relação aos ensinamentos dos pastores de que a Salvação é só pela graça, mediante a fé, creio que já ficou bem demonstrado que não foi este o ensinamento de Jesus.

 

As pessoas tem sido enganadas com este tipo de ensinamento, pois o verdadeiro ensinamento de Jesus não tem sido revelado.

 

Jesus nos alertou contra estes falsos mestres e falsos profetas.

 

Mateus 7:15-27

15 – Acautelai-vos dos falsos profetas, que se vos apresentam disfarçados em ovelhas, mas por dentro são lobos roubadores.

 

16 – Pelos seus frutos os conhecereis. Colhem-se, porventura, uvas dos espinheiros ou figos dos abrolhos?

 

17 – Assim, toda árvore boa produz bons frutos, porém a árvore má produz frutos maus.

 

18 – Não pode a árvore boa produzir frutos maus, nem a árvore má produzir frutos bons.

 

19 – Toda árvore que não produz bom fruto é cortada e lançada ao fogo.

 

20 Assim, pois, pelos seus frutos os conhecereis.

 

21 – Nem todo o que me diz: Senhor, Senhor! entrará no reino dos céus, mas aquele que faz a vontade de meu Pai, que está nos céus.

 

22 Muitos, naquele dia, hão de dizer-me: Senhor, Senhor! Porventura, não temos nós profetizado em teu nome, e em teu nome não expelimos demônios, e em teu nome não fizemos muitos milagres?

 

23 Então, lhes direi explicitamente: nunca vos conheci. Apartai-vos de mim, os que praticais a iniquidade.

 

24 Todo aquele, pois, que ouve estas minhas palavras e as pratica será comparado a um homem prudente que edificou a sua casa sobre a rocha;

25 e caiu a chuva, transbordaram os rios, sopraram os ventos e deram com ímpeto contra aquela casa, que não caiu, porque fora edificada sobre a rocha.

 

26 – E todo aquele que ouve estas minhas palavras e não as pratica será comparado a um homem insensato que edificou a sua casa sobre a areia;

27e caiu a chuva, transbordaram os rios, sopraram os ventos e deram com ímpeto contra aquela casa, e ela desabou, sendo grande a sua ruína.

 

II Pedro 2: 1-4 ; 12

1Assim como, no meio do povo, surgiram falsos profetas, assim também haverá entre vós falsos mestres, os quais introduzirão, dissimuladamente, heresias destruidoras, até ao ponto de renegarem o Soberano Senhor que os resgatou, trazendo sobre si mesmos repentina destruição.

 

2 E muitos seguirão as suas práticas libertinas, e, por causa deles, será infamado o caminho da verdade;

 

3 também, movidos por avareza, farão comércio de vós, com palavras fictícias;

para eles o juízo lavrado há longo tempo não tarda, e a sua destruição não dorme.

 

12 Esses, todavia, como brutos irracionais, naturalmente feitos para presa e destruição, falando mal daquilo em que são ignorantes, na sua destruição também hão de ser destruídos,

 

Romanos 1: 18-22 ; 25

18A ira de Deus se revela do céu contra toda impiedade e perversão dos homens que detêm a verdade pela injustiça;

 

19 porquanto o que de Deus se pode conhecer é manifesto entre eles, porque Deus lhes manifestou.

 

20 Porque os atributos invisíveis de Deus, assim o seu eterno poder, como também a sua própria divindade, claramente se reconhecem, desde o princípio do mundo, sendo percebidos por meio das coisas que foram criadas. Tais homens são, por isso, indesculpáveis;

 

21 porquanto, tendo conhecimento de Deus, não o glorificaram como Deus, nem lhe deram graças, antes, se tornaram nulos em seus próprios raciocínios, obscurecendo-se-lhes o coração insensato.

 

22 Inculcando-se por sábios, tornaram-se loucos

 

25 pois eles mudaram a verdade de Deus em mentira, adorando e servindo a criatura em lugar do Criador, o qual é bendito eternamente. Amém!

 

I Timóteo 6: 10 – Porque o amor do dinheiro é raiz de todos os males;

e alguns, nessa cobiça, se desviaram da fé e a si mesmos se atormentaram com muitas dores.

 

Marcos 12: 38 – 40

38 – E, ao ensinar, dizia ele: Guardai-vos dos escribas, que gostam de andar com vestes talares e das saudações nas praças;

39 – e das primeiras cadeiras nas sinagogas e dos primeiros lugares nos banquetes;

 

40os quais devoram as casas das viúvas e, para o justificar, fazem longas orações;

estes sofrerão juízo muito mais severo.

 

Em O Evangelho segundo o Espiritismo – Cap. XXI – Falsos Cristos e Falsos Profetas – item 8 , o Espírito Luís, nos ensina :

 

Falsos Profetas

 

8. Se vos disserem: “O Cristo está aqui”, não vades; ao contrário, tende-vos em guarda, porquanto numerosos serão os falsos profetas.

 

Não vedes que as folhas da figueira começam a branquear; não vedes os seus múltiplos rebentos aguardando a época da floração; e não vos disse o Cristo: Conhece-se a árvore pelo fruto?

Se, pois, são amargos os frutos, já sabeis que má é a árvore;

se, porém, são doces e saudáveis, direis: “Nada que seja puro pode provir de fonte má.”

 

É assim, meus irmãos, que deveis julgar; são as obras que deveis examinar.

 

Se os que se dizem investidos de poder divino revelam sinais de uma missão de natureza elevada, isto é, se possuem no mais alto grau as virtudes cristãs e eternas: a caridade, o amor, a indulgência, a bondade que concilia os corações;

 

se, em apoio das palavras, apresentam os atos, podereis então dizer: Estes são realmente enviados de Deus.

 

Desconfiai, porém, das palavras melífluas, desconfiai dos escribas e dos fariseus que oram nas praças públicas, vestidos de longas túnicas.

 

Desconfiai dos que pretendem ter o monopólio da verdade!

 

Não, não, o Cristo não está entre esses, porquanto os que ele envia para propagar a sua santa doutrina e regenerar o seu povo serão, acima de tudo, seguindo-lhe o exemplo, brandos e humildes de coração;

 

os que hajam, com os exemplos e conselhos que prodigalizem, de salvar a humanidade, que corre para a perdição e pervaga por caminhos tortuosos, serão essencialmente modestos e humildes.

 

De tudo o que revele um átomo de orgulho, fugi, como de uma lepra contagiosa, que corrompe tudo em que toca.

 

Lembrai-vos de que cada criatura traz na fronte, mas principalmente nos atos, o cunho da sua grandeza ou da sua inferioridade. Luís. (Bordéus, 1861.)

 

O próximo Post será sobre o Consolador prometido por Jesus e sobre Nascer de Novo.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: