Fluidos ; Curas ; Poder da Fé

28 maio

Curas

 

Ainda, sobre o assunto Fluidos, temos no Capítulo XV do livro A Gênese, vários exemplos do uso dos Fluidos para as curas na Bíblia.

 

        Perda de sangue

 

10. – Então, uma mulher, que havia doze anos sofria de uma hemorragia; – que sofrera muito nas mãos dos médicos e que, tendo gasto todos os seus haveres, nenhum alívio conseguira, – como ouvisse falar de Jesus, veio com a multidão atrás dele e lhe tocou as vestes, porquanto, dizia: Se eu conseguir ao menos lhe tocar nas vestes, ficarei curada.

No mesmo instante o fluxo sangüíneo lhe cessou e ela sentiu em seu corpo que estava curada daquela enfermidade.

 

Logo, Jesus, conhecendo em si mesmo a virtude que dele saíra, se voltou no meio da multidão e disse: Quem me tocou as vestes? – Seus discípulos lhe disseram: Vês que a multidão te aperta de todos os lados e perguntas quem te tocou? – Ele olhava em torno de si à procura daquela que o tocara.

 

A mulher, que sabia o que se passara em si, tomada de medo e pavor, veio lançar-se-lhe aos pés e lhe declarou toda a verdade. –

 

Disse-lhe Jesus: Minha filha, tua fé te salvou;

vai em paz e fica curada da tua enfermidade. ( Marcos, cap. V, vv. 25 a 34.)

 

11. – Estas palavras: conhecendo em si mesmo a virtude que dele saíra, são significativas.

Exprimem o movimento fluídico que se operara de Jesus para a doente;

ambos experimentaram a ação que acabara de produzir-se.

 

É de notar-se que o efeito não foi provocado por nenhum ato da vontade de Jesus;

não houve magnetização, nem imposição das mãos.

Bastou a irradiação fluídica normal para realizar a cura.

 

Mas, por que essa irradiação se dirigiu para aquela mulher e não para outras pessoas, uma vez que Jesus não pensava nela e tinha a cercá-lo a multidão?

 

É bem simples a razão.

Considerado como matéria terapêutica, o fluido tem que atingir a matéria orgânica, a fim de repará-la;

pode então ser dirigido sobre o mal pela vontade do curador, ou atraído pelo desejo ardente, pela confiança, numa palavra:

pela fé do doente.

 

Com relação à corrente fluídica, o primeiro age como uma bomba calcante e o segundo como uma bomba aspirante.

Algumas vezes, é necessária a simultaneidade das duas ações; doutras, basta uma só.

O segundo caso foi o que ocorreu na circunstância de que tratamos.

 

Razão, pois, tinha Jesus para dizer: «Tua fé te salvou.»

 

Compreende-se que a fé a que ele se referia não é uma virtude mística, qual a entendem, muitas pessoas, mas uma verdadeira força atrativa, de sorte que aquele que não a possui opõe à corrente fluídica uma força repulsiva, ou, pelo menos, uma força de inércia, que paralisa a ação.

 

Assim sendo, também, se compreende que, apresentando-se ao curador dois doentes da mesma enfermidade, possa um ser curado e outro não.

É este um dos mais importantes princípios da mediunidade curadora e que explica certas anomalias aparentes, apontando-lhes uma causa muito natural. (Cap. XlV, nos 31, 32 e 33.)

 

 

       Cego de Betsaida

 

12. – Tendo chegado a Betsaida, trouxeram-lhe um cego e lhe pediam que o tocasse. Tomando o cego pela mão, ele o levou para fora do burgo, passou-lhe saliva nos olhos e, havendo-lhe imposto as mãos, lhe perguntou se via alguma coisa.

– O homem, olhando; disse: Vejo a andar homens que me parecem árvores. – Jesus lhe colocou de novo as mãos sobre os olhos e ele começou a ver melhor.

Afinal, ficou tão perfeitamente curado, que via distintamente todas as coisas.Ele o mandou para casa, dizendo-lhe: Vai para tua casa; se entrares no burgo, a ninguém digas o que se deu contigo. ( Marcos, cap. VIII, vv. 22 a 26.)

 

13. – Aqui, é evidente o efeito magnético;

a cura não foi instantânea, porém gradual e consequente a uma ação prolongada e reiterada, se bem que mais rápida do que na magnetização ordinária.

 

A primeira sensação que o homem teve foi exatamente a que experimentam os cegos ao recobrarem a vista.

Por um efeito de óptica, os objetos lhes parecem de tamanho exagerado.

 

 

       A mulher curada

 

19. – Todos os dias de sábado Jesus ensinava numa sinagoga. – Um dia, viu ali uma mulher possuída de um Espírito que a punha doente, havia dezoito anos; era tão curvada, que não podia olhar para cima.

– Vendo-a, Jesus a chamou e lhe disse: Mulher, estás livre da tua enfermidade.Impôs-lhe ao mesmo tempo as mãos e ela, endireitando-se, rendeu graças a Deus.

 

Mas, o chefe da sinagoga, indignado por haver Jesus feito uma cura em dia de sábado, disse ao povo: Há seis dias destinados ao trabalho; vinde nesses dias para serdes curados e não nos dias de sábado.

 

O Senhor, tomando a palavra, disse-lhe: Hipócrita, qual de vós não solta da carga o seu boi ou seu jumento em dia de sábado e não o leva a beber?

Por que então não se deveria libertar, em dia de sábado, dos laços que a prendiam, esta filha de Abraão, que Satanás conservara atada durante dezoito anos?

A estas palavras, todos os seus adversários ficaram confusos e todo o povo encantado de vê-lo praticar tantas ações gloriosas. (Lucas, cap. XIII, vv. 10 a 17.)

 

20. Este fato prova que naquela época a maior parte das enfermidades era atribuída ao demônio e que todos confundiam, como ainda hoje, os possessos com os doentes, mas em sentido inverso, isto é, hoje, os que não acreditam nos maus Espíritos confundem as obsessões com as moléstias patológicas.

 

 

Na 1ª Categoria do Blog, coloquei um Post sobre as curas efetuadas por Jesus e pelos apóstolos, através da Imposição das Mãos, usando, exatamente, dos fluidos.

Vou repetir uma parte dele, por achar que se encaixará bem neste Post.

 

PASSE = IMPOSIÇÃO DE MÃOS

 

No livro Nos Domínios da Mediunidade, escrito pelo Espírito André Luiz e psicografado por Francisco C. Xavier, André Luiz escreve sobre o Passe :

 

“O passe é uma transfusão de energias, alterando o campo celular.

Vocês sabem que na própria ciência humana de hoje o átomo não é mais o tijolo indivisível da matéria….

que, antes dele, encontram-se linhas de força, aglutinando os princípios subatômicos, e que, antes desses princípios, surge a vida mental determinante…..

 

Tudo é espírito no santuário da Natureza.

Renovemos o pensamento e tudo se modificará conosco.

 

Na assistência magnética, os recursos espirituais se entrosam entre a emissão e a recepção, ajudando a criatura necessitada para que ela ajude a si mesma.

A mente reanimada reergue as vidas microscópicas que a servem no templo do corpo, edificando valiosas reconstruções.

 

O passe, como reconhecemos, é importante contribuição para quem saiba recebê-lo, com o respeito e a confiança que o valorizam.”

 

 

Livro dos Médiuns – Cap. VIIIDo Laboratório do Mundo Invisível.

 

Modificação das propriedades da matéria

 

129. A teoria acima se pode resumir desta maneira:

o Espírito atua sobre a matéria;

da matéria cósmica universal tira os elementos de que necessite para formar, a seu bel-prazer, objetos que tenham a aparência dos diversos corpos existentes na Terra.

 

Pode igualmente, pela ação da sua vontade, operar na matéria elementar uma transformação íntima, que lhe confira determinadas propriedades.

Esta faculdade é inerente à natureza do Espírito, que muitas vezes a exerce de modo instintivo, quando necessário, sem disso se aperceber.

 

Os objetos que o Espírito forma, têm existência temporária, subordinada à sua vontade, ou a uma necessidade que ele experimenta.

Pode fazê-los e desfazê-los livremente.

 

Em certos casos, esses objetos, aos olhos de pessoas vivas, podem apresentar todas as aparências da realidade, isto é, tornarem-se momentaneamente visíveis e até mesmo tangíveis.

Há formação; porém, não criação, atento que do nada o Espírito nada pode tirar.

 

130. A existência de uma matéria elementar única está hoje quase geralmente admitida pela Ciência, e os Espíritos, como se acaba de ver, a confirmam.

Todos os corpos da Natureza nascem dessa matéria que, pelas transformações por que passa, também produz as diversas propriedades desses mesmos corpos.

 

Daí vem que uma substância salutar pode, por efeito de simples modificação, tornar-se venenosa, fato de que a Química nos oferece numerosos exemplos.

Toda gente sabe que, combinadas em certas proporções, duas substâncias inocentes podem dar origem a uma que seja deletéria.

Uma parte de oxigênio e duas de hidrogênio, ambos inofensivos, formam a água.

Juntai um átomo de oxigênio e tereis um liquido corrosivo.

 

Sem mudança nenhuma das proporções, às vezes, a simples alteração no modo de agregação molecular basta para mudar as propriedades.

Assim é que um corpo opaco pode tornar-se transparente e vice-versa.

 

Pois que ao Espírito é possível tão grande ação sobre a matéria elementar, concebe-se que lhe seja dado não só formar substâncias, mas também modificar-lhes as propriedades, fazendo para isto a sua vontade o efeito de reativo.

 

 

Ação magnética curadora

 

131. Esta teoria nos fornece a solução de um fato bem conhecido em magnetismo, mas inexplicado até hoje:

o da mudança das propriedades da água, por obra da vontade.

 

O Espírito atuante é o do magnetizador, quase sempre assistido por outro Espírito.

 

Ele opera uma transmutação por meio do fluido magnético que, como atrás dissemos, e a substância que mais se aproxima da matéria cósmica, ou elemento universal.

Ora, desde que ele pode operar uma modificação nas propriedades da água, pode também produzir um fenômeno análogo com os fluidos do organismo, donde o efeito curativo da ação magnética, convenientemente dirigida.

 

Sabe-se que papel capital desempenha a vontade em todos os fenômenos do magnetismo. Porém, como se há de explicar a ação material de tão sutil agente?

A vontade não é um ser, uma substância qualquer; não é, sequer, uma propriedade da matéria mais etérea que exista.

 

A vontade é atributo essencial do Espírito, isto é, do ser pensante.

Com o auxílio dessa alavanca, ele atua sobre a matéria elementar e, por uma ação consecutiva, reage sobre seus compostos, cujas propriedades íntimas vêm assim a ficar transformadas.

 

Tanto quanto do Espírito errante, a vontade é igualmente atributo do Espírito encarnado;

daí o poder do magnetizador, poder que se sabe estar na razão direta da força de vontade.

 

Podendo o Espírito encarnado atuar sobre a matéria elementar, pode do mesmo modo mudar-lhe as propriedades, dentro de certos limites.

 

Assim se explica a faculdade de cura pelo contacto e pela imposição das mãos, faculdade que algumas pessoas possuem em grau mais ou menos elevado.

 

João 14 : 12 – Em verdade, em verdade vos digo que aquele que crê em mim fará também as obras que eu faço e outras maiores fará, porque eu vou para junto do Pai.

 

 

Livro dos Médiuns – Cap. XIV – Dos Médiuns


7. Médiuns curadores

 

175. Unicamente para não deixar de mencioná-la, falaremos aqui desta espécie de médiuns, porquanto o assunto exigiria desenvolvimento excessivo para os limites em que precisamos ater-nos.

Sabemos, ao demais, que um de nossos amigos, médico, se propõe a tratá-lo em obra especial sobre a medicina intuitiva.

 

Diremos apenas que este gênero de mediunidade consiste, principalmente, no dom que possuem certas pessoas de curar pelo simples toque, pelo olhar, mesmo por um gesto, sem o concurso de qualquer medicação.

 

Dir-se-á, sem dúvida, que isso mais não é do que magnetismo. Evidentemente, o fluido magnético desempenha aí importante papel;

porém, quem examina cuidadosamente o fenômeno sem dificuldade reconhece que há mais alguma coisa.

 

A magnetização ordinária é um verdadeiro tratamento seguido, regular e metódico; no caso que apreciamos, as coisas se passam de modo inteiramente diverso.

 

Todos os magnetizadores são mais ou menos aptos a curar, desde que saibam conduzir-se convenientemente, ao passo que nos médiuns curadores a faculdade é espontânea e alguns até a possuem sem jamais terem ouvido falar de magnetismo.

 

A intervenção de uma potência oculta, que é o que constitui a mediunidade, se faz manifesta, em certas circunstâncias, sobretudo se considerarmos que a maioria das pessoas que podem, com razão, ser qualificadas de médiuns curadores recorre à prece, que é uma verdadeira evocação.

 

 

Livro: O Passe Magnético – Seus Fundamentos e sua Aplicação Cap. X – Conclusão – Salvador Gentile.

 

Cada célula do corpo humano, como sabemos, é uma unidade de vida, um ser vivo, e, portanto, um corpo magnético a irradiar.

 

Da irradiação individual de todas as nossas células se compõe o nosso halo vital, a nossa aura, na parte que corresponde ao nosso corpo físico e ao nosso perispírito

e sobre esse magnetismo, de alguma sorte físico, se espraia o magnetismo de nosso corpo mental, depósito de todas as nossas aquisições espirituais, impregnado pelas vibrações e cores de nosso pensamento, a nos individualizar como um dos filhos de Deus.

 

A corrente magnética que circula na operação do passe, da qual tratamos aqui,

nada mais é que o pensamento do homem, gerado em sua mente, com a qualidade de seu Espírito, e acionado para fora para penetrar em outro corpo eletromagnético em forma de energia a ser acrescentada e utilizada na sua organização para a restauração de sua harmonia íntima.

Quanto mais puro e nobre for o Espírito, mais sua irradiação será poderosa e restauradora.

 

Alguém tocou as vestes do Cristo e só com isto curou-se;

é que este, sentindo o toque deu a sua irradiação em resposta, operando a restauração da pessoa doente.

O passe, como se vê, é uma doação de nós mesmos através do pensamento fraterno e restaurador.

Quando essa energia vem de um Espírito amigo, é seu pensamento que penetra em nossa mente para irradiar-se, como se viu nas valiosas transcrições que fizemos.”

 

O serviço de passe, no Centro Espírita, como vimos, é de suma importância e, por isso, deve ser incrementado, aperfeiçoado, de modo a atender, os que o procuram, da melhor maneira possível.”

 

 

Livro: Missionários da Luz – André Luiz – Francisco C. Xavier- Psicografado em 1945.

 

Um dia compreenderá o homem comum a importância do pensamento.

Por agora, é muito difícil revelar-lhe o sublime poder da mente.”

 

Isto foi escrito em 1945, mas, hoje, a Ciência já está comprovando o poder dos pensamentos.

 

Influência do Pensamento

 

O cientista Masaru Enoto fez um estudo sobre a estrutura molecular da água e o que a afeta.

Ele aplicou estímulos mentais e os fotografou com um microscópio de anti-matéria.

 

Verificou que o pensamento ou intenção são as forças responsáveis que atuam em nosso benefício e do próximo.

 

Veja vídeo sobre essa experiência :

 

O Poder do nosso Pensamento – Mensagens das Águas – Parte do filme “ QUEM SOMOS NÓS” 

 

 http://www.youtube.com/watch?v=ScbON-y5U2k

                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                            

Filipenses  4 : 8 –  Finalmente, irmãos, tudo o que é verdadeiro, tudo o que é respeitável, tudo o que é justo, tudo o que é puro, tudo o que é amável, tudo o que é de boa fama, se alguma virtude há e se algum louvor existe,

seja isso o que ocupe o vosso pensamento..

 

 

Jesus e os apóstolos curavam através da imposição de mãos , isto é, através de passes  (nomenclatura usada no Espiritismo)

Mateus 19 : 13 –  Trouxeram-lhe, então, algumas crianças, para que lhes impusesse as mãos e orasse; mas os discípulos os repreendiam.

 

Mateus 19 : 15 –  E, tendo-lhes imposto as mãos, retirou-se dali.

 

Marcos 10 : 16 – Então, tomando-as nos braços e impondo-lhes as mãos, as  abençoava.


Marcos 16 : 17Estes sinais hão de acompanhar aqueles que crêem: em meu nome, expelirão demônios; falarão novas línguas;

Marcos 16 : 18 – pegarão em serpentes; e, se alguma coisa mortífera beberem, não   lhes fará mal; se impuserem as mãos sobre enfermos, eles ficarão curados.

 

Atos 8 : 17 – Então, lhes impunham as mãos, e recebiam estes o Espírito Santo.

Atos 8 : 18 – Vendo, porém, Simão que, pelo fato de imporem os apóstolos as mãos era concedido o Espírito Santo, ofereceu-lhes dinheiro,


Atos 9 : 12 – e viu entrar um homem, chamado Ananias, e impor-lhe as mãos, para   que recuperasse a vista.

 

Atos 9 : 17 – Então, Ananias foi e, entrando na casa, impôs sobre ele as mãos, dizendo: Saulo, irmão, o Senhor me enviou, a saber, o próprio Jesus que te apareceu no caminho por onde vinhas, para que recuperes a vista e fiques cheio do Espírito Santo.

 

Atos 13 : 3 – Então, jejuando, e orando, e impondo sobre eles as mãos, os despediram.

 

Atos 19 : 11E Deus, pelas mãos de Paulo, fazia milagres extraordinários,

 

Atos 28 : 8 – Aconteceu achar-se enfermo de disenteria, ardendo em febre, o pai de Públio. Paulo foi visitá-lo, e, orando, impôs-lhe as mãos, e o curou.

Atos 28 : 9 À vista deste acontecimento, os demais enfermos da ilha vieram e foram curados,

 

I Timóteo 4 : 14 Não te faças negligente para com o dom que há em ti, o qual te foi concedido mediante profecia, com a imposição das mãos do presbitério.

 

 

O Evangelho segundo o Espiritismo – Capítulo XIX – A Fé que transporta montanhas itens 1 a 5.

 

Poder da fé

 

1. Quando ele veio ao encontro do povo, um homem se lhe aproximou e, lançando-se de joelhos a seus pés, disse: Senhor, tem piedade do meu filho, que é lunático e sofre muito, pois cai muitas vezes no fogo e muitas vezes na água.

Apresentei-o aos teus discípulos, mas eles não o puderam curar. Jesus respondeu. dizendo: Ó raça incrédula e depravada, até quando estarei convosco? Até quando vos sofrerei? Trazei-me aqui esse menino.

 

E tendo Jesus ameaçado o demônio, este saiu do menino, que no mesmo instante ficou são. Os discípulos vieram então ter com Jesus em particular e lhe perguntaram: Por que não pudemos nós outros expulsar esse demônio?

 

Respondeu-lhes Jesus: Por causa da vossa incredulidade.

Pois em verdade vos digo, se tivésseis a fé do tamanho de um grão de mostarda, diríeis a esta montanha: Transporta-te daí para ali e ela se transportaria,

e nada vos seria impossível. ( MATEUS, cap. XVII, vv. 14 a 20.)

 

2. No sentido próprio, é certo que a confiança nas suas próprias forças toma o homem capaz de executar coisas materiais, que não consegue fazer quem duvida de si.

Aqui porém unicamente no sentido moral se devem entender essas palavras.

 

As montanhas que a fé desloca são as dificuldades, as resistências, a má-vontade, em suma, com que se depara da parte dos homens, ainda quando se trate das melhores coisas.

 

Os preconceitos da rotina, o interesse material, o egoísmo, a cegueira do fanatismo e as paixões orgulhosas são outras tantas montanhas que barram o caminho a quem trabalha pelo progresso da Humanidade.

 

A fé robusta dá a perseverança, a energia e os recursos que fazem se vençam os obstáculos, assim nas pequenas coisas, que nas grandes.

 

Da fé vacilante resultam a incerteza e a hesitação de que se aproveitam os adversários que se têm de combater;

essa fé não procura os meios de vencer, porque não acredita que possa vencer.

 

3. Noutra acepção, entende-se como fé a confiança que se tem na realização de uma coisa, a certeza de atingir determinado fim.

 

Hebreus 11 : 1 – Ora, a fé é a certeza de coisas que se esperam, a convicção de fatos que se não vêem.

 

Ela dá uma espécie de lucidez que permite se veja, em pensamento, a meta que se quer alcançar e os meios de chegar lá, de sorte que aquele que a possui caminha, por assim dizer, com absoluta segurança.

Num como noutro caso, pode ela dar lugar a que se executem grandes coisas.

 

A fé sincera e verdadeira é sempre calma;

faculta a paciência que sabe esperar, porque, tendo seu ponto de apoio na inteligência e na compreensão das coisas, tem a certeza de chegar ao objetivo visado.

 

A fé vacilante sente a sua própria fraqueza;

quando a estimula o interesse, torna-se furiosa e julga suprir, com a violência, a força que lhe falece.

 

A calma na luta é sempre um sinal de força e de confiança;

a violência, ao contrário, denota fraqueza e dúvida de si mesmo.

 

4. Cumpre não confundir a fé com a presunção.

A verdadeira fé se conjuga à humildade;

aquele que a possui deposita mais confiança em Deus do que em si próprio, por saber que, simples instrumento da vontade divina, nada pode sem Deus.

 

Por essa razão é que os bons Espíritos lhe vêm em auxílio.

A presunção é menos fé do que orgulho, e o orgulho é sempre castigado, cedo ou tarde, pela decepção e pelos malogros que lhe são infligidos.

 

5. O poder da fé se demonstra, de modo direto e especial, na ação magnética;

por seu intermédio, o homem atua sobre o fluido, agente universal, modifica-lhe as qualidades e lhe dá uma impulsão por assim dizer irresistível.

 

Daí decorre que aquele que a um grande poder fluídico normal junta ardente fé, pode, só pela força da sua vontade dirigida para o bem, operar esses singulares fenômenos de cura e outros, tidos antigamente por prodígios, mas que não passam de efeito de uma lei natural.

 

Tal o motivo por que Jesus disse a seus apóstolos: se não o curastes, foi porque não tínheis fé.

 

 

Evangelho segundo o Espiritismo – Capítulo XXVII – Pedi e obtereis – itens  5 , 9  e  10.

 

5.  Seja o que for que peçais na prece, crede que o obtereis e concedido vos será o que pedirdes. ( MARCOS, cap. XI, v. 24.)

 

Ação da prece. – Transmissão do pensamento

 

9. A prece ou oração é uma invocação, mediante a qual o homem entra, pelo pensamento, em comunicação com o ser a quem se dirige.

Pode ter por objeto um pedido, um agradecimento, ou uma glorificação.

Podemos orar por nós mesmos ou por outrem, pelos vivos ou pelos mortos.

 

As preces feitas a Deus escutam-nas os Espíritos incumbidos da execução de suas vontades;

as que se dirigem aos bons Espíritos são reportadas a Deus.

 

Quando alguém ora a outros seres que não a Deus, fá-lo recorrendo a intermediários, a intercessores, porquanto nada sucede sem a vontade de Deus.

 

Hebreus 1 : 14 –  Não são todos eles espíritos ministradores, enviados para serviço a favor dos que hão de herdar a salvação?

10. O Espiritismo torna compreensível a ação da prece, explicando o modo de transmissão do pensamento, quer no caso em que o ser a quem oramos acuda ao nosso apelo, quer no em que apenas lhe chegue o nosso pensamento.

 

Para apreendermos o que ocorre em tal circunstância, precisamos conceber mergulhados no fluido universal, que ocupa o espaço, todos os seres, encarnados e desencarnados, tal qual nos achamos, neste mundo, dentro da atmosfera.

 

Esse fluido recebe da vontade uma impulsão;

ele é o veículo do pensamento, como o ar o é do som, com a diferença de que as vibrações do ar são circunscritas, ao passo que as do fluido universal se estendem ao infinito.

 

Dirigido, pois, o pensamento para um ser qualquer, na Terra ou no espaço, de encarnado para desencarnado, ou vice-versa, uma corrente fluídica se estabelece entre um e outro, transmitindo de um ao outro o pensamento, como o ar transmite o som.

 

A energia da corrente guarda proporção com a do pensamento e da vontade.

 

É assim que os Espíritos ouvem a prece que lhes é dirigida, qualquer que seja o lugar onde se encontrem;

é assim que os Espíritos se comunicam entre si, que nos transmitem suas inspirações, que relações se estabelecem a distância entre encarnados.

 

Essa explicação vai, sobretudo, com vistas aos que não compreendem a utilidade da prece puramente mística.

Não tem por fim materializar a prece, mas tornar-lhe inteligíveis os efeitos, mostrando que pode exercer ação direta e efetiva.

 

Nem por isso deixa essa ação de estar subordinada à vontade de Deus, juiz supremo em todas as coisas, único apto a torná-la eficaz.

 

O próximo Post será um Resumo da Doutrina Espírita.

Anúncios

2 Respostas to “Fluidos ; Curas ; Poder da Fé”

  1. Conceição Duarte novembro 20, 2012 às 6:39 pm #

    Adorei o trabalho. Foi muito útil para o meu estudo. Muito obrigada! Um grande abraço.

    • espiritismoebiblia novembro 21, 2012 às 11:35 pm #

      Eu agradeço a você, Conceição, pela atenção e pelo estímulo ao meu trabalho. Deus a abençoe.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: