ESCALA ESPÍRITA II

6 mar

ESCALA ESPÍRITA II

 

O Livro dos EspíritosParte 2ª – Do mundo espírita ou mundo dos EspíritosCap. IDos Espíritos.

Terceira ordemEspíritos imperfeitos

101 Características gerais

 

Predominância da matéria sobre o Espírito.

Propensão ao mal.

 

Ignorância, orgulho, egoísmo e todas as más paixões que são suas consequências.

 

Eles têm a intuição de Deus, mas não o compreendem.

 

Nem todos são essencialmente maus.

 

Entre alguns há mais leviandade, inconsequência e malícia do que verdadeira maldade.

 

Alguns não fazem o bem nem o mal;

mas, apenas pelo fato de não fazerem o bem, já demonstram sua inferioridade.

 

II Coríntios 12 : 20 – 21 – 

20 – Temo, pois, que, indo ter convosco, não vos encontre na forma em que vos quero, e que também vós me acheis diferente do que esperáveis,

e que haja entre vós contendas, invejas, iras, porfias, detrações, intrigas, orgulho e tumultos.

 

21 –  Receio que, indo outra vez, o meu Deus me humilhe no meio de vós, e eu venha a chorar por muitos

que, outrora, pecaram e não se arrependeram da impureza, prostituição e lascívia que cometeram.

 

Outros, ao contrário, se comprazem no mal e ficam satisfeitos quando encontram a ocasião de o fazer.

 

Podem aliar a inteligência à maldade ou à malícia;

mas qualquer que seja seu desenvolvimento intelectual, suas ideias são pouco elevadas e seus sentimentos mais ou menos inferiores.

 

Seus conhecimentos sobre as coisas do mundo espírita são limitados e o pouco que sabem se confunde com as ideias e os preconceitos da vida corporal.

 

Eles podem nos dar apenas noções falsas e incompletas, mas o observador atento encontra, muitas vezes, em suas comunicações imperfeitas, a confirmação das grandes verdades ensinadas pelos Espíritos Superiores.

 

Seu caráter se revela pela sua linguagem.

Todo Espírito que em suas comunicações revela um mau pensamento pode ser classificado na terceira ordem.

 

Por consequência, todo mau pensamento que nos é sugerido vem de um Espírito dessa ordem.

Eles veem a felicidade dos bons e isso é, para eles, um tormento incessante, porque sentem todas as agonias que originam a inveja e o ciúme.

 

Romanos 1 : 28  –  31

28  E, por haverem desprezado o conhecimento de Deus, o próprio Deus os entregou a uma disposição mental reprovável, para praticarem coisas inconvenientes,

 

29  cheios de toda injustiça, malícia, avareza e maldade;

possuídos de inveja, homicídio, contenda, dolo e malignidade;

sendo difamadores,

 

30  caluniadores, aborrecidos de Deus, insolentes, soberbos, presunçosos, inventores de males, desobedientes aos pais,

 

31  insensatos, pérfidos, sem afeição natural e sem misericórdia.

 

Conservam a lembrança e a percepção dos sofrimentos da vida corporal e essa impressão é, muitas vezes, mais dolorosa do que a realidade.

Sofrem, verdadeiramente, pelos males que suportaram em vida e pelos que fizeram os outros sofrer.

 

E como sofrem por longo tempo, acreditam que irão sofrer para sempre.

A Providência, para puni-los, permite que assim pensem.

 

 

Pode-se dividi-los em cinco classes principais:

 

102 Décima classe. Espíritos Impuros

 

São inclinados ao mal e fazem dele o objeto de suas preocupações.

 

Como Espíritos, dão conselhos falsos, provocam a discórdia e a desconfiança e se mascaram de todas as formas para melhor enganar.

 

Eles se ligam às pessoas de caráter mais fraco, que cedem às suas sugestões, a fim de prejudicá-los, satisfeitos em poder retardar o seu adiantamento e fazê-las fracassar nas provas por que passam.

 

I Pedro 5 : 8  –  9

Sede sóbrios e vigilantes.

O diabo, vosso adversário, anda em derredor, como leão que ruge procurando alguém para devorar;

 

resisti-lhe firmes na fé, certos de que sofrimentos iguais aos vossos estão-se cumprindo na vossa irmandade espalhada pelo mundo.

 

Mateus 12 : 43  –  45

43  Quando o espírito imundo sai do homem, anda por lugares áridos procurando repouso, porém não encontra.

 

44  Por isso, diz: Voltarei para minha casa donde saí.

E, tendo voltado, a encontra vazia, varrida e ornamentada.

 

45  Então, vai e leva consigo outros sete espíritos, piores do que ele, e, entrando, habitam ali;

e o último estado daquele homem torna-se pior do que o primeiro.

Assim também acontecerá a esta geração perversa.

 

Nas manifestações, esses espíritos são reconhecidos pela linguagem.

 

A trivialidade e a grosseria das expressões, entre os Espíritos como entre os homens, é sempre um indício de inferioridade moral ou intelectual.

 

I João 4 : 1 –  Amados, não deis crédito a qualquer espírito;

antes, provai os espíritos se procedem de Deus,

porque muitos falsos profetas têm saído pelo mundo fora.

 

Suas comunicações revelam a baixeza de suas inclinações e, se tentam enganar ao falar de uma maneira sensata, não podem sustentar esse papel por muito tempo, e acabam sempre por denunciar a sua origem.

 

Alguns povos fizeram desses Espíritos divindades malfazejas;

outros os designaram sob o nome de demônios, maus gênios, espíritos do mal.

 

Quando estão encarnados, são inclinados a todos os vícios que geram as paixões vergonhosas e degradantes:

a sensualidade, a crueldade, a mentira, a hipocrisia, a cobiça e a avareza sórdida.

 

I Pedro  4 :  3  –  6

3  Porque basta o tempo decorrido para terdes executado a vontade dos gentios,

tendo andado em dissoluções, concupiscências, borracheiras, orgias, bebedices e em detestáveis idolatrias.

 

4  Por isso, difamando-vos, estranham que não concorrais com eles ao mesmo excesso de devassidão,

 

os quais hão de prestar contas àquele que é competente para julgar vivos e mortos;

 

6  pois, para este fim, foi o evangelho pregado também a mortos,

 

para que, mesmo julgados na carne segundo os homens, vivam no espírito segundo Deus.

 

Dissolução : Perversão de costumes; devassidão; libertinagem.

 

Devassidão : Caráter ou procedimento de devasso; libertinagem, licenciosidade.

Devasso : depravado

 

Concupiscência

1. Desejo intenso de bens ou gozos materiais
2. Apetite sexual

 

Borracheira

1. Palavras ou comportamento de bêbado.
2. Alteração da consciência produzida pela ingestão de infusão feita de plantas alucinógenas.

 

 

Fazem o mal pelo prazer de fazê-lo e, muitas vezes, sem motivos e por ódio ao bem, escolhem quase sempre suas vítimas entre as pessoas honestas.

 

São flagelos para a humanidade, seja qual for a posição da sociedade a que pertençam, e o verniz da civilização não os livra da baixeza e da desonra.

 

 

103 Nona classe. Espíritos Levianos

 

São ignorantes, maliciosos, inconsequentes e zombeteiros.

 

Envolvem-se em tudo, respondem a tudo, sem se preocupar com a verdade.

 

Salmos 79  : 4 –  Tornamo-nos o opróbrio dos nossos vizinhos, o escárnio e a zombaria dos que nos rodeiam.

 

Comprazem-se em causar pequenos desgostos e pequenas alegrias, atormentar e induzir maliciosamente ao erro por meio de mistificações e espertezas.

 

A esta classe pertencem os Espíritos vulgarmente designados sob os nomes de duendes, trasgos ( espírito elementar), gnomos, diabretes.

 

Estão sob a dependência dos Espíritos Superiores, que se utilizam deles, muitas vezes, como fazemos com os nossos servidores.

 

Nas suas comunicações com os homens, a linguagem é algumas vezes espirituosa e engraçada, mas quase sempre sem profundidade.

 

Compreendem os defeitos e o ridículo humanos, exprimindo-os em tiradas mordazes e satíricas.

 

Se usam nomes supostos, é mais para se divertir conosco do que por maldade.

 

 

104 Oitava classe. Espíritos Pseudo-Sábios

 

Seus conhecimentos são bastante amplos, mas acreditam saber mais do que sabem na realidade.

 

Tendo realizado alguns progressos sob diversos pontos de vista, sua linguagem tem uma característica séria que pode induzir ao erro e ocasionar enganos sobre suas capacidades e seus conhecimentos.

 

Mas isso é apenas um reflexo dos preconceitos e das ideias sistemáticas que conservam da vida terrena.

 

É uma mistura de algumas verdades ao lado dos erros mais absurdos, no meio dos quais sobressai a presunção, o orgulho, a inveja e a obstinação das quais não puderam se libertar.

 

II Coríntios 12 : 20Temo, pois, que, indo ter convosco, não vos encontre na forma em que vos quero, e que também vós me acheis diferente do que esperáveis,

e que haja entre vós contendas, invejas, iras, porfias, detrações, intrigas, orgulho e tumultos.

 

 

105 Sétima classe. Espíritos Neutros

 

Não são bastante bons para fazer o bem, nem suficientemente maus para fazer o mal.

 

Inclinam-se tanto para um quanto para o outro e não se elevam acima da condição comum da humanidade, tanto pela moral quanto pela inteligência.

 

Eles se prendem às coisas deste mundo e lamentam a perda das alegrias grosseiras que nele deixaram.

 

 

106 Sexta classe. Espíritos Batedores e Perturbadores

 

Estes Espíritos não formam, propriamente falando, uma classe distinta quanto às qualidades pessoais, podendo pertencer a todas as classes da terceira ordem.

 

Manifestam, frequentemente, sua presença por efeitos sensíveis e físicos, como pancadas, o movimento e o deslocamento anormal dos corpos sólidos, a agitação do ar, etc.

 

Parecem estar ainda, mais do que outros, ligados à matéria e ser os agentes principais das variações e transformações das forças e elementos da natureza no globo, seja ao atuarem sobre o ar, a água, o fogo, os corpos duros ou nas entranhas da terra.

 

Reconhece-se que esses fenômenos não se originam de uma causa imprevista e física, quando têm um caráter intencional e inteligente.

 

Todos os Espíritos podem produzir esses fenômenos, mas os de ordem elevada os deixam, geralmente, como atribuições dos subalternos, mais aptos às coisas materiais do que às da inteligência.

 

Quando julgam que essas manifestações são úteis, servem-se dos Espíritos dessa classe como seus auxiliares.

 

 

Segunda ordemBons Espíritos

 

107 Características gerais

 

Predominância do Espírito sobre a matéria;

desejo do bem.

 

Suas qualidades e poder para fazer o bem estão em conformidade com o grau que alcançaram.

 

Uns têm a ciência;

outros, a sabedoria e a bondade.

 

Os mais adiantados reúnem o saber às qualidades morais.

 

Não estando ainda completamente desmaterializados, conservam mais ou menos, de acordo com sua categoria, os traços da existência corporal, tanto na forma da linguagem quanto nos costumes, entre os quais se identificam algumas de suas manias.

 

Não fosse por isso, seriam Espíritos perfeitos.

 

Compreendem Deus e o infinito e já gozam da felicidade dos bons;

são felizes pelo bem que fazem e pelo mal que impedem.

 

O amor que os une é uma fonte de felicidade indescritível que não é alterada pela inveja, pelo remorso, nem por nenhuma das más paixões que fazem o tormento dos Espíritos imperfeitos.

 

Mas todos ainda têm que passar por provas até que atinjam a perfeição absoluta.

 

Como Espíritos, sugerem bons pensamentos,

desviam os homens do caminho do mal,

protegem a vida daqueles que se tornam dignos

e neutralizam a influência dos Espíritos imperfeitos sobre os que não têm por que passar por ela.

 

Quando encarnados são bons e benevolentes com os seus semelhantes.

 

Não são movidos pelo orgulho, egoísmo, nem ambição.

 

Não sentem ódio, rancor, inveja ou ciúme e fazem o bem pelo bem.

 

I Coríntios 13 :  4  –  7

O amor é paciente, é benigno;

o amor não arde em ciúmes,

não se ufana,

não se ensoberbece,

 

não se conduz inconvenientemente,

não procura os seus interesses,

não se exaspera,

não se ressente do mal;

 

não se alegra com a injustiça,

mas regozija-se com a verdade;

 

tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta.

 

 

A esta ordem pertencem os Espíritos designados nas crenças populares pelos nomes de gênios bons, gênios protetores, Espíritos do bem.

Nos tempos de superstições e ignorância, foram tidos como divindades benfazejas.

 

 

Pode-se dividi-los em quatro grupos principais:

 

108 Quinta classe. Espíritos Benevolentes

 

Sua qualidade dominante é a bondade;

satisfazem-se em prestar serviços aos homens e em protegê-los, mas seu saber é limitado.

 

Seu progresso é maior no sentido moral do que no intelectual.

 

 

109 Quarta classe. Espíritos Prudentes ou Sábios

 

O que os distingue especialmente é a abrangência de seus conhecimentos.

 

Preocupam-se menos com as questões morais do que com as científicas, para as quais têm mais aptidão.

 

Mas consideram a ciência somente do ponto de vista da utilidade, livre das paixões que são próprias dos Espíritos imperfeitos.

 

 

110 Terceira classe. Espíritos de Sabedoria

 

As qualidades morais do mais elevado grau formam seu caráter.

 

Sem ter conhecimentos ilimitados, são dotados de uma capacidade intelectual que lhes dá um julgamento preciso e sábio sobre os homens e as coisas.

 

 

111 Segunda classe. Espíritos Superiores

 

Reúnem a ciência, a sabedoria e a bondade.

 

Sua linguagem revela sempre a benevolência e é constantemente digna, elevada, muitas vezes sublime.

 

Sua superioridade os torna mais aptos que os outros para nos dar noções mais justas sobre as coisas do mundo incorpóreo, dentro dos limites do que é permitido ao homem conhecer.

 

Comunicam-se benevolentemente com os que procuram de boa-fé a verdade e que têm a alma já liberta dos laços terrestres para compreendê-la.

 

Mas se afastam dos que são movidos apenas pela curiosidade ou dos que a influência da matéria desvia da prática do bem.

 

Quando, por exceção, encarnam na Terra, é para realizar uma missão de progresso e nos oferecem, então, o modelo de perfeição a que a humanidade pode aspirar neste mundo.

 

Hebreus 1 : 13  –  14

13  Ora, a qual dos anjos jamais disse: Assenta-te à minha direita, até que eu ponha os teus inimigos por estrado dos teus pés?

14  Não são todos eles espíritos ministradores, enviados para serviço a favor dos que hão de herdar a salvação?

 

Hebreus 2 : 1  – 4

Por esta razão, importa que nos apeguemos, com mais firmeza, às verdades ouvidas, para que delas jamais nos desviemos.
Se, pois, se tornou firme a palavra falada por meio de anjos, e toda transgressão ou desobediência recebeu justo castigo,
como escaparemos nós, se negligenciarmos tão grande salvação?

A qual, tendo sido anunciada inicialmente pelo Senhor, foi-nos depois confirmada pelos que a ouviram;
dando Deus testemunho juntamente com eles, por sinais, prodígios e vários milagres e por distribuições do Espírito Santo, segundo a sua vontade.

 

Primeira ordemEspíritos puros

 

112 Características gerais

 

Não sofrem nenhuma influência da matéria.

 

Superioridade intelectual e moral absoluta em relação aos Espíritos das outras ordens.

 

 

Jesus é o guia  e modelo para toda a Humanidade .

 

E a Doutrina que ensinou e  exemplificou é a mais pura da Lei de Deus.

 

 

113 Primeira classe. Classe Única

 

Passaram por todos os graus da escala e se libertaram de todas as impurezas da matéria.

 

Tendo atingido o mais elevado grau de perfeição de que é capaz a criatura, não têm mais que sofrer provas nem expiações.

 

Não estando mais sujeitos à reencarnação em corpos perecíveis, a vida é para eles eterna e a desfrutam no seio de Deus.

 

Gozam de uma felicidade inalterável por não estarem sujeitos nem às necessidades, nem às variações e transformações da vida material.

 

Mas essa felicidade não é de uma ociosidade monótona passada numa contemplação perpétua.

 

São os mensageiros e ministros de Deus, cujas ordens executam para a manutenção da harmonia universal.

 

Hebreus 1 : 13  –  14

13  Ora, a qual dos anjos jamais disse: Assenta-te à minha direita, até que eu ponha os teus inimigos por estrado dos teus pés?

14  Não são todos eles espíritos ministradores, enviados para serviço a favor dos que hão de herdar a salvação?

 

Comandam todos os Espíritos que lhes são inferiores, ajudando-os a se aperfeiçoarem e lhes designam missões.

 

Assistir os homens em suas aflições, incitá-los ao bem ou à expiação das faltas que os afastam da felicidade suprema é para eles uma agradabilíssima ocupação.

 

São chamados, às vezes, de anjos, arcanjos ou serafins.

 

Isaías 6  :  6Então, um dos serafins voou para mim, trazendo na mão uma brasa viva, que tirara do altar com uma tenaz;

 

Ezequiel  10 : 1Olhei, e eis que, no firmamento que estava por cima da cabeça dos querubins, apareceu sobre eles uma como pedra de safira semelhando a forma de um trono.

 

Os homens podem entrar em comunicação com eles, mas presunçoso seria aquele que pretendesse tê-los constantemente às suas ordens.

 

Daniel 10 :  4  –  7

No dia vinte e quatro do primeiro mês, estando eu à borda do grande rio Tigre,

 

levantei os olhos e olhei, e eis um homem vestido de linho, cujos ombros estavam cingidos de ouro puro de Ufaz;

 

o seu corpo era como o berilo, o seu rosto, como um relâmpago, os seus olhos, como tochas de fogo, os seus braços e os seus pés brilhavam como bronze polido;

e a voz das suas palavras era como o estrondo de muita gente.

 

Só eu, Daniel, tive aquela visão;

os homens que estavam comigo nada viram;

não obstante, caiu sobre eles grande temor, e fugiram e se esconderam.

————————————————————————————————

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: