Arquivo | CRISTIANISMO E ESPIRITISMO RSS feed for this section

LEIS MORAIS – LEI DO TRABALHO – 678 – NECESSIDADE DO TRABALHO – Nos mundos mais aperfeiçoados, o homem é submetido à mesma necessidade de trabalhar ?

15 ago

LEIS MORAISLEI DO TRABALHO678NECESSIDADE DO TRABALHO

Nos mundos mais aperfeiçoados, o homem é submetido à mesma necessidade de trabalhar ?

 

Livro : O Livro dos EspíritosParte TerceiraLeis MoraisCapítulo IIILei do Trabalho Necessidade do Trabalhoitem 678.

 

678. Nos mundos mais aperfeiçoados, o homem é submetido à mesma necessidade de trabalhar ?

A natureza do trabalho está em relação com a natureza das necessidades.

 

Gênesis 2 : 1 – Assim, pois, foram acabados os céus e a terra e todo o seu exército (de Anjos).

 

 

Quanto menos necessidades materiais, menos material é o trabalho.

Mas não julgueis, por isso, que o homem permanece inativo e inútil.

A ociosidade seria um suplício, em vez de ser um benefício.

 

 

Livro : O Livro dos EspíritosParte QuartaCapítulo IIDAS PENAS E GOZOS FUTUROSNatureza das Penas e Gozos Futurositem 969.

 

969. O que se deve entender quando se diz que os Espíritos puros estão reunidos no seio de Deus e ocupados em lhe entoar louvores?                       

É uma alegoria indicativa da inteligência que eles têm das perfeições de Deus, pois o veem e compreendem;

 

mas, como tantas outras, não se deve tomá-la ao pé da letra.

 

Tudo na Natureza, desde o grão de areia, canta, ou seja,

proclama o poder, a sabedoria e a bondade de Deus.

 

 

Provérbios 3 : 19 – O SENHOR com sabedoria fundou a terra,

com inteligência estabeleceu os céus.

 

 

Mas não penseis que os Espíritos bem-aventurados estejam em contemplação por toda a  eternidade.

 

Hebreus 1 : 14 – Não são todos eles ESPÍRITOS ministradores,

enviados para serviço a favor dos que hão de herdar a salvação?

 

 

Isso seria uma felicidade estúpida e monótona,

e mais ainda, a felicidade do egoísta, pois a sua existência seria uma inutilidade sem fim.

 

Eles não sofrem mais as tribulações da existência corpórea: isso já é um prazer;

depois, como já dissemos, conhecem e sabem todas as coisas

e empregam proveitosamente a inteligência adquirida, para auxiliar o progresso dos outros Espíritos:

essa é a sua ocupação e ao mesmo tempo um prazer.

 

 

Livro : O Evangelho segundo o EspiritismoCapítulo IIIHá muitas moradas na casa de meu Paiitem 10Mundos Superiores e Inferiores.

 

HÁ MUITAS MORADAS NA CASA DE MEU PAI

 

João 14 : 1 – 2

Não se turbe o vosso coração;

credes em Deus, crede também em mim.

 

Na casa de meu Pai há muitas moradas.

 

Se assim não fora, eu vo-lo teria dito.

Pois vou preparar-vos lugar.

 

 

MUNDOS SUPERIORES E INFERIORES

 

10 – Nos mundos felizes, a relação de povo para povo, sempre amigáveis,

jamais são perturbadas pelas ambições de dominação e pelas guerras que lhes são consequentes.

 

Não existem senhores nem escravos, nem privilegiados de nascimentos.

 

Só a superioridade moral e intelectual determina as diferentes condições e confere a supremacia.

 

A autoridade é sempre respeitada, porque decorre unicamente do mérito e se exerce sempre com justiça.

 

O homem não procura elevar-se sobre o seu semelhante, mas sobre si mesmo, aperfeiçoando-se.

 

 

João 17 : 22 – 23

22  Eu lhes tenho transmitido a glória que me tens dado,

para que sejam um, como nós o somos;

 

23 eu neles, e tu em mim,

a fim de que sejam aperfeiçoados na unidade,

para que o mundo conheça que tu me enviaste

e os amaste, como também amaste a mim.

 

 

Hebreus 12 : 22 – 23

22  Mas tendes chegado ao monte Sião e à cidade do Deus vivo, a Jerusalém celestial, e a incontáveis hostes de anjos, e à universal assembleia

 

23 e igreja dos primogênitos arrolados nos céus,

e a Deus, o Juiz de todos,

e aos espíritos dos justos aperfeiçoados,

 

 

Seu objetivo é atingir a classe dos Espíritos puros,

e esse desejo incessante não constitui um tormento, mas uma nobre ambição,

que o faz estudar com ardor para os igualar.

 

Todos os sentimentos ternos e elevados da natureza humana apresentam-se engrandecidos e purificados.

 

Os ódios, as mesquinharias dos ciúmes, as baixas cobiças da inveja, são ali desconhecidos.

 

Um sentimento de amor e fraternidade une a todos os homens e os mais fortes ajudam os mais fracos.

 

Suas posses são correspondentes às possibilidades de aquisição de suas inteligências,

mas ninguém sofre a falta do necessário,

porque ninguém ali se encontra em expiação.

 

Em uma palavra, o mal não existe.

 

 

Livro : Filosofia Espírita  XIV –  Capítulo 15Espírito MiramezPsicografado por João Nunes Maia item 678.

 

678/LE

 

ESPÍRITOS SUPERIORES

 

Fugir do trabalho é isentar-se dos meios pelos quais vêm os ensinamentos espirituais.

Trabalhar é viver;

tudo no mundo se agita, em se formando belezas imortais.

 

A lida para a humanidade é de acordo com as suas necessidades de despertamento.

Nos mundos superiores, certamente que o labor (trabalho) é relativo às suas necessidades.

 

O trabalho obedece ao progresso das criaturas de Deus e, mesmo que queira, o Espírito jamais deixará de trabalhar;

até os seus corpos, em todas as faixas que lhes compete existir, estão em pleno movimento,

clarificando cada vez mais o roteiro do seu senhor, que é a alma que os ocupa.

 

Sendo o Espírito criação de Deus, como concebê-lo na sua estrutura mais íntima sem movimento divino ?  

Deus é luz,

e luz é dinamismo estuante (ardente) que se irradia em todas as direções,

dando e levando vida para todos os lados.

 

 

I João 1 : 5 – Ora, a mensagem que, da parte dele, temos ouvido e vos anunciamos é esta:

que Deus é luz,

e não há nele treva nenhuma.

 

 

O Espírito foi criado simples e ignorante,

e como tal carece, pelo trabalho e pelas vidas sucessivas,

de despertar para viver melhor.

 

II Coríntios 13 : 11 – Quanto ao mais, irmãos, adeus!

Aperfeiçoai-vos,

consolai-vos,

sede do mesmo parecer,

vivei em paz;

e o Deus de amor e de paz estará convosco.

 

 

Quem está em estado de sono, se encontra inativo até certo ponto, mas não sem movimento;

mesmo quando nesse estado, a alma trabalha e os corpos se movem.

 

Números 12 : 6 – Então, disse: Ouvi, agora, as minhas palavras;

se entre vós há profeta, eu, o SENHOR, em visão a ele,

me faço conhecer ou falo com ele em sonhos.

 

 

Jó 13 : 14 – 16

14  Pelo contrário, Deus fala de um modo, sim, de dois modos,

mas o homem não atenta para isso.

 

15  Em sonho ou em visão de noite, quando cai sono profundo sobre os homens, quando adormecem na cama,

 

16  então, lhes abre os ouvidos e lhes sela a sua instrução,

 

 

Mateus 2 : 12 – 13

12  Sendo por divina advertência prevenidos em sonho para não voltarem à presença de Herodes, regressaram por outro caminho a sua terra.

 

13  Tendo eles partido, eis que apareceu um anjo do Senhor a José, em sonho, e disse:

Dispõe-te, toma o menino e sua mãe, foge para o Egito e permanece lá até que eu te avise; porque Herodes há de procurar o menino para o matar.

 

 

Notamos nos Espíritos primitivos certa lentidão, mas nunca paralisação.

Quanto mais inferior o Espírito, mais lentos são seus movimentos;

quanto mais evolui, mais acelerado o seu dinamismo, buscando harmonia.

 

O que observamos com os sentidos físicos é o que se expressa com mais velocidade na sua intimidade.

 

Vejamos bem o éter cósmico, esse hálito de Deus, como podemos chamá-lo,

essa luz cósmica cuja velocidade ainda não pode ser medida,

por ultrapassar o próprio pensamento dos Espíritos,

por ser o pensamento de Deus que a tudo interpenetra,

e que Ele mesmo criou por amor:

 

esse fluido divino é o amor do Todo Poderoso,

que tem o poder de se transformar pela força que lhe emprestam os sentimentos,

e esse é o trabalho dos agentes do Senhor,

na transformação dessas bênçãos, criando mundos e sóis, como sendo os cocriadores das belezas do Universo.

 

Contudo, somente Deus dirige a tudo com sabedoria,

porque a harmonia total está n’Ele, e somente n’Ele.

 

 

João 5 : 17 – Mas ele lhes disse: Meu Pai trabalha até agora,

e eu trabalho também.

 

Hebreus 1 : 14 – Não são todos eles ESPÍRITOS ministradores,

enviados para serviço a favor dos que hão de herdar a salvação?

 

 

O maior dom da vida humana e do Espírito é o pensamento,

cuja força manejada com amor faz prodígios.

 

Estamos na época da florescência da mente;

procuremos, pois, estudar nossas forças,

mas, acima de tudo procuremos empregá-la, como Jesus nos dá exemplo. 

 

 

Filipenses 4 : 8 – 9

Finalmente, irmãos,

tudo o que é verdadeiro,

tudo o que é respeitável,

tudo o que é justo,

tudo o que é puro,

tudo o que é amável,

tudo o que é de boa fama,

se alguma virtude há

e se algum louvor existe,

seja isso o que ocupe o vosso pensamento.

 

O que também aprendestes,

e recebestes,

e ouvistes,

e vistes em mim,

isso praticai;

e o Deus da paz será convosco.

 

 

Tudo é trabalho;

 

Salmos 128 : 2 – Do trabalho de tuas mãos comerás,

feliz serás,

e tudo te irá bem.

 

 

… não devemos querer trabalhar fora das nossas possibilidades de operação, nem remontar à retaguarda.

Se nos mundos superiores o trabalho é feito em relação à evolução das almas ali estagiadas, ele deve, nesses mundos, prosseguir no ritmo que o progresso traçou.

 

Não obstante, nos mundos inferiores, onde as provas são duras para as almas, o trabalho é mais grosseiro, mas deve ser encarado como dever.

 

Existem estâncias divinas em que os Espíritos suprem todas as suas necessidades pela força do pensamento,

e Jesus deu prova disso multiplicando pães e peixes,

transformando água em vinho

e, simplesmente com um toque das Suas mãos, curando os enfermos.

Quando Ele acionava seu verbo, levantava caídos e fazia voltar as almas aos corpos.

 

Mateus 15 : 34 – 38

34  Perguntou-lhes Jesus: Quantos pães tendes?

Responderam: Sete e alguns peixinhos.

 

35  Então, tendo mandado o povo assentar-se no chão,

 

36  tomou os sete pães e os peixes,

e, dando graças,

partiu, e deu aos discípulos, e estes, ao povo.

 

37  Todos comeram e se fartaram;

e, do que sobejou, recolheram sete cestos cheios.

38  Ora, os que comeram eram quatro mil homens, além de mulheres e crianças.

 

 

João 2 : 7 – 10

Jesus lhes disse: Enchei de água as talhas. E eles as encheram totalmente.

 

Então, lhes determinou: Tirai agora e levai ao mestre-sala. Eles o fizeram.

 

Tendo o mestre-sala provado a água transformada em vinho (não sabendo donde viera, se bem que o sabiam os serventes que haviam tirado a água), chamou o noivo

10 e lhe disse: Todos costumam pôr primeiro o bom vinho e, quando já beberam fartamente, servem o inferior;

tu, porém, guardaste o bom vinho até agora.

 

 

Mateus 20 : 34 – Condoído, Jesus tocou-lhes os olhos,

e imediatamente recuperaram a vista e o foram seguindo.

 

 

Marcos 10 : 13 : 16

13  Trouxeram-lhe, então, algumas crianças,

para que lhes impusesse as mãos e orasse;

mas os discípulos os repreendiam.

 

14  Jesus, porém, disse: Deixai os pequeninos, não os embaraceis de vir a mim, porque dos tais é o reino dos céus.

 

15  E, tendo-lhes imposto as mãos, retirou-se dali.

 

 

Lucas 18 : 15 – 17

15 Traziam-lhe também as crianças, para que as tocasse;

e os discípulos, vendo, os repreendiam.

 

16 Jesus, porém, chamando-as para junto de si, ordenou:

Deixai vir a mim os pequeninos e não os embaraceis,

porque dos tais é o reino de Deus.

 

17 Em verdade vos digo:

Quem não receber o reino de Deus como uma criança,

de maneira alguma entrará nele.

 

 

Marcos 1 : 40 – 42

40  Aproximou-se dele um leproso rogando-lhe, de joelhos: Se quiseres, podes purificar-me.

41 Jesus, profundamente compadecido,

estendeu a mão, tocou-o e disse-lhe: Quero, fica limpo!

42 No mesmo instante, lhe desapareceu a lepra, e ficou limpo.

 

 

Lucas 13 : 12 – 13

12  Vendo-a Jesus, chamou-a e disse-lhe:

Mulher, estás livre da tua enfermidade;

 

13  e, impondo-lhe as mãos,

ela imediatamente se endireitou e dava glória a Deus.

 

 

A lei do trabalho é a mesma em todos os mundos habitados, contudo, os modos de operação são diversos, de acordo com as necessidades dos Espíritos.

 

Essa é a justiça de Deus, mostrando o Seu amor em toda a parte.

 

Compreendamos, pois, que devemos estudar as leis de Deus na profundidade que nos cabe aprender.

 

Discutir sobre quem está certo é perda de tempo, dentro do tempo que nos chama à compreensão;

trocar ideias com carinho é função da alma que deseja elevar-se acima da ignorância.

 

O trabalho é Deus nos chamando a servir.

 

Efésios 6 : 6 – 7

não servindo à vista, como para agradar a homens,

mas como servos de Cristo, fazendo, de coração, a vontade de Deus;

 

servindo de boa vontade, como ao Senhor e não como a homens,

 

 

Colossenses 3 : 23

Tudo quanto fizerdes, fazei-o de todo o coração,

como para o Senhor e não para homens,

 

LEIS MORAIS – LEI DO TRABALHO – 677 – NECESSIDADE DO TRABALHO Por que a Natureza provê, por si mesma, a todas as necessidades dos animais?

30 jul

LEIS MORAISLEI DO TRABALHO677NECESSIDADE DO TRABALHO.

 

Por que a Natureza provê, por si mesma, a todas as necessidades  dos animais?

 

Livro : O Livro dos EspíritosParte TerceiraLeis MoraisCapítulo IIILei do TrabalhoNecessidade do Trabalhoitem 677

 

677. Por que a Natureza provê, por si mesma, a todas as necessidades  dos animais?

Tudo trabalha na Natureza.

Os animais trabalham, como tu, mas o trabalho deles, de acordo com a inteligência de que dispõe, é limitado aos cuidados da própria conservação.

 

Eis porque, entre eles, o trabalho não conduz ao progresso, enquanto entre os homens tem um duplo objetivo:

a conservação do corpo

e o desenvolvimento da faculdade de pensar,

que é também uma necessidade e que o eleva acima de si mesmo.

 

Quando digo que o trabalho dos animais é limitado aos cuidados de sua conservação, refiro-me ao fim a que eles se propõem, trabalhando.

Mas, enquanto, sem o saberem, eles se entregam inteiramente a prover as suas necessidades materiais, são os agentes que colaboram nos desígnios do Criador.

O trabalho que executam também concorre para a realização do objetivo final da Natureza, embora, muitas vezes, não possais ver o seu resultado imediato.

 

Provérbios 12 : 10 – O justo atenta para a vida dos seus animais, mas o coração dos perversos é cruel.

 

 

Eclesiastes 3 : 16 – 20

16 Vi ainda debaixo do sol que no lugar do juízo reinava a maldade

e no lugar da justiça, maldade ainda.

 

17 Então, disse comigo: Deus julgará o justo e o perverso;

pois há tempo para todo propósito e para toda obra.

 

18  Disse ainda comigo: é por causa dos filhos dos homens, para que Deus os prove, e eles vejam que são em si mesmos como os animais.

 

19 Porque o que sucede aos filhos dos homens sucede aos animais;

o mesmo lhes sucede:

como morre um, assim morre o outro, todos têm o mesmo fôlego de vida, e nenhuma vantagem tem o homem sobre os animais;

porque tudo é vaidade.

 

20  Todos vão para o mesmo lugar;

todos procedem do pó e ao pó tornarão.

 

 

Livro : O Evangelho segundo o EspiritismoCapítulo XXVBuscai e AchareisOlhai as Aves do Céuitens 68.

 

Olhai as Aves do Céu

 

6 – Não queirais entesourar para vós tesouros na Terra, onde a ferrugem e a traça os consomem, e onde os ladrões os desenterram e roubam.

 

Mas entesourai para vós tesouros no céu, onde não os consomem a ferrugem nem a traça, e onde os ladrões não o desenterram nem roubam.

 

Porque onde está o tesouro, aí está também o teu coração.

 

Portanto vos digo: Não andeis cuidadosos da vossa vida, que comereis, nem para o vosso corpo, que vestireis.

Não é mais a alma do que a comida, e o corpo mais do que o vestido?

 

Olhai para as aves do céu, que não semeiam, nem segam (ceifam), nem fazem provimentos nos celeiros;

e, contudo, vosso Pai celestial as sustenta.

 

Porventura não sois muito mais do que elas?

E qual de vós, discorrendo, pode acrescentar um côvado (aproximadamente  66 cm) à sua estatura?

E por que andais vós solícitos pelo vestido?

 

Considerai como crescem os lírios do campo;

eles não trabalham nem fiam;

digo-vos mais, que nem Salomão, em toda a sua glória, se cobriu jamais como um destes.

Pois se ao feno do campo, que hoje é ,e amanhã é lançado no forno, Deus veste assim, quanto mais a vós, homens de pouca fé?

 

Não vos aflijais, dizendo: Que comeremos, ou que beberemos, ou com que nos cobriremos?

Porque os gentios é que se cansam por estas coisas.

 

Porquanto vosso Pai sabe que tendes necessidade de todas elas.

 

Buscai primeiramente o Reino de Deus e a sua justiça,

e todas estas coisas se vos acrescentarão.

 

E assim não andeis inquietos pelo dia de amanhã.

Porque o dia de amanhã a si mesmo trará seu cuidado;

ao dia basta a sua própria aflição. (Mateus 6 :  19-21, 25-34).

 

 

7 – Se tomássemos estas palavras ao pé da letra, elas seriam a negação de toda a previdência e de todo o trabalho, e consequentemente, de todo o progresso.

 

Segundo esse princípio, o homem se reduziria a um expectador passivo.

Suas forças físicas e intelectuais não seriam postas em atividade.

 

Se essa tivesse sido a sua condição normal na Terra, ele jamais sairia do estado primitivo, e se adotasse agora esse princípio, não teria mais nada a fazer.

 

É evidente que não poderia ter sido esse o pensamento de Jesus, porque estaria em contradição com o que ele já dissera em outras ocasiões, como no tocante às leis da Natureza.

 

Deus criou o homem sem roupas e sem casa,

mas deu-lhe a inteligência para produzi-las.

(Ver cap. XIV, nº 6 e cap. XXV, nº 2).

 

Não se pode ver nestas palavras, portanto, mais do que uma alegoria poética da Providência, que jamais abandona os que nela confiam,

 

mas com a condição de que também se esforcem.

 

É assim que, se nem sempre os socorre com ajuda material,

inspira-lhes os meios de saírem por si mesmos de suas dificuldades.

(Ver cap. XXVII, nº 8)

 

Lucas 16 : 16 – A Lei e os Profetas vigoraram até João;

desde esse tempo, vem sendo anunciado o evangelho do reino de Deus,

 

e todo homem se esforça por entrar nele.

 

 

Deus conhece as nossas necessidades, e a elas provê, conforme for necessário.

 

Mas o homem, insaciável nos seus desejos, nem sempre contenta-se com o que tem.

O necessário não lhe basta, ele quer também o supérfluo.

 

É então que a Providência o entrega a si mesmo.

 

Frequentemente ele se torna infeliz por sua própria culpa,

e por não haver atendido as advertências da voz da consciência,

 

e Deus o deixa sofrer as consequências, para que isso lhe sirva de lição no futuro. (Ver cap. V, nº 4).

 

 

8 – A Terra produz o suficiente para alimentar a todos os seus habitantes,

quando os homens souberem administrar a sua produção,

segundo as leis de justiça, caridade e amor ao próximo.

 

Quando a fraternidade reinar entre os povos, como entre as províncias de um mesmo império,

o que sobrar para um determinado momento,

suprirá a insuficiência momentânea de outro,

e todos terão o necessário.

 

 

II Pedro 1 : 5 – 8

por isso mesmo, vós, reunindo toda a vossa diligência,

associai com a vossa fé a virtude;

com a virtude, o conhecimento;

 

com o conhecimento, o domínio próprio;

com o domínio próprio, a perseverança;

com a perseverança, a piedade;

 

com a piedade, a fraternidade;

com a fraternidade, o amor.

 

Porque estas coisas, existindo em vós e em vós aumentando,

fazem com que não sejais nem inativos, nem infrutuosos

no pleno conhecimento de nosso Senhor Jesus Cristo.

 

 

O rico, então, considerará a si mesmo como um homem que possui grandes depósitos de sementes:

se as distribuir, elas produzirão ao cêntuplo, para ele e para os outros;

 

mas, se as comer sozinho, se as desperdiçar e deixar que se perca o excedente do que comeu, elas nada produzirão, e todos ficarão em necessidade.

 

Se as fechar no seu celeiro, os insetos as devorarão.

 

Eis por que Jesus ensinou:

Não amontoeis tesouros na Terra, pois são perecíveis,

mas amontoai-os no céu, onde são eternos.

 

Em outras palavras:

não deis mais importância aos bens materiais do que aos espirituais,

e aprendei a sacrificar os primeiros em favor dos segundos.

(Ver cap. XVI, nº 7 e segs.).

 

 

Não é através de leis que se decretam a caridade e a fraternidade.

 

Se elas não estiverem no coração, o egoísmo as asfixiará sempre.

 

Fazê-las ali penetrar, é a tarefa do Espiritismo.

 

 

Livro : Filosofia Espírita  XIV –  Capítulo 14Espírito MiramezPsicografado por João Nunes Maiaitem 677.

 

677/LE

 

TUDO NA NATUREZA

 

 

Tudo na Natureza trabalha, cada um na sua espécie, onde Deus lhe determinou operar.

 

Embora pareça automático o movimento de vida da Natureza,

há inúmeros agentes de Deus impulsionando com inteligência o mourejar (lidar constantemente) de todos os reinos.

 

Hebreus 1 : 14 – Não são todos eles ESPÍRITOS ministradores, enviados para serviço a favor dos que hão de herdar a salvação?

 

 

Árvores e animais trabalham, em sentido mais profundo, não somente para se manterem vivos;

todas as divisões da Natureza laboram crescendo.

 

Em tudo que existe, Deus depositou algo mais importante para ser despertado.

Se não notamos progresso nos animais e nas plantas, como no ser humano,

é porque ele não é visível tanto quanto nesse último,

no entanto, há uma maturação, pode-se dizer, uma fermentação da inteligência, que no amanhã pode despertar convenientemente.

 

O transformismo está na lei divina:

a luz que sai do Grande Foco se transmuta em variadas formas, cresce no seu despertar e se divide ao infinito;

o animal trabalha no seu modo de ser, e o crescimento de cada espécie vai mudando o modo pelo qual ele deve trabalhar.

 

No princípio, ele opera para garantir sua vida física, para depois a tarefa ir se aperfeiçoando, de modo que todo o trabalho se funde e espiritualiza pelos pensamentos, que engloba todos os recursos usados até então.

 

Trabalhamos pensando,

trabalhamos olhando,

trabalhamos falando

e trabalhamos fazendo.

As modalidades são inúmeras.

Cada vez mais podemos glorificar a Deus pelo labor (trabalho) mais perfeito.

 

Vendo-lhes a fé, Jesus disse ao paralítico :

homem, estão perdoados os teus pecados.

(Lucas 5 : 20)

 

 

Lucas 5 : 18 – 25

18 Vieram, então, uns homens trazendo em um leito um paralítico;

e procuravam introduzi-lo e pô-lo diante de Jesus.

 

19  E, não achando por onde introduzi-lo por causa da multidão, subindo ao eirado (espécie de telhado), o desceram no leito, por entre os ladrilhos, para o meio, diante de Jesus.

 

20  Vendo-lhes a fé, Jesus disse ao paralítico:

Homem, estão perdoados os teus pecados.

 

21 E os escribas e fariseus arrazoavam, dizendo:

Quem é este que diz blasfêmias?

Quem pode perdoar pecados, senão Deus?

 

22  Jesus, porém, conhecendo-lhes os pensamentos, disse-lhes: Que arrazoais em vosso coração?

 

23  Qual é mais fácil, dizer: Estão perdoados os teus pecados ou: Levanta-te e anda?

 

24  Mas, para que saibais que o Filho do Homem tem sobre a terra autoridade para perdoar pecados, disse ao paralítico:

Eu te ordeno: Levanta-te, toma o teu leito e vai para casa.

 

25  Imediatamente, se levantou diante deles e, tomando o leito em que permanecera deitado, voltou para casa, glorificando a Deus.

 

 

A fé se acumula na consciência pelo trabalho no bem,

logo é fruto do trabalho na lavoura da mente.

 

Desta forma, ela limpa as faltas cometidas

e é fonte do trabalho para a cura de todas as enfermidades das criaturas.

 

Tudo na Natureza acumula vida e experiências,

de modo a enriquecer o campo de vida da alma.

 

Não percamos tempo;

aproveitemos todos os ensejos que vierem a aparecer em nossos caminhos,

pois essas oportunidades passam e se não as aproveitarmos, ficamos às margens do caminho esperando que venham outras.

 

Valorizemos o trabalho, seja qual for;

façamo-lo com amor, para que a alegria cresça em nossos corações.

 

Efésios 6 : 6 – 7

6 não servindo à vista, como para agradar a homens,

mas como servos de Cristo, fazendo, de coração, a vontade de Deus;

 

servindo de boa vontade, como ao Senhor e não como a homens,

 

 

Colossenses 3 : 17 –  E tudo o que fizerdes, seja em palavra, seja em ação,

fazei-o em nome do Senhor Jesus, dando por ele graças a Deus Pai.

 

Colossenses  3: 23 – 24

23 Tudo quanto fizerdes, fazei-o de todo o coração,

como para o Senhor e não para homens,

 

24  cientes de que recebereis do Senhor a recompensa da herança.

A Cristo, o Senhor, é que estais servindo;

 

 

Esforcemo-nos no esquecimento de todas as ofensas

e amemos a Deus em tudo o que sentirmos.

 

Passemos a amar, igualmente, ao próximo,

com todo o empenho,

que esses gestos far-nos-ão conhecer a verdade que nos tornará mais livres.

 

João 8 : 31 – 32

31 Disse, pois, Jesus aos judeus que haviam crido nele:

Se vós permanecerdes na minha palavra, sois verdadeiramente meus discípulos;

 

32 e conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará.

 

 

Em muitos casos, um sorriso é um bom trabalho;

ele pode levar às criaturas mais vida e mais esperança,

dependendo dos sentimentos que conduzem essa expressão de amor.

 

Mesmo cuidando de nós mesmos, não nos esqueçamos da perfeição espiritual.

 

II Coríntios 13 : 11 –  Quanto ao mais, irmãos, adeus!

Aperfeiçoai-vos,

consolai-vos,

sede do mesmo parecer,

vivei em paz;

 

e o Deus de amor e de paz estará convosco.

 

Que o ato de lavar o corpo, de vestir a roupa, de comer, de respirar,

sejam todos feitos com harmonia (paz entre as pessoas ; concórdia),

porque harmonia é trabalho para a nossa paz.

 

I Pedro 3 : 10 – 11

10  Pois quem quer amar a vida e ver dias felizes

refreie a língua do mal e evite que os seus lábios falem dolosamente (má-fé);

 

11  aparte-se do mal,

pratique o que é bom,

busque a paz

e empenhe-se por alcançá-la.

 

LEIS MORAIS – LEI DO TRABALHO – 676 – NECESSIDADE DO TRABALHO. Por que o trabalho é imposto ao homem?

14 jul

LEIS MORAISLEI DO TRABALHO676NECESSIDADE DO TRABALHO.

Por que o trabalho é imposto ao homem?

 

Livro : O Livro dos EspíritosParte TerceiraLeis Morais Capítulo IIILei do TrabalhoNecessidade do Trabalhoitem 676.

 

676. Por que o trabalho é imposto ao homem?

É uma consequência da sua natureza corpórea.

 

Provérbios 16 : 26 – A fome do trabalhador o faz trabalhar, porque a sua boca a isso o incita.

 

É uma expiação e ao mesmo tempo um meio de aperfeiçoar a sua inteligência.

Sem o trabalho o homem permaneceria na infância intelectual;

eis porque ele deve a sua alimentação, a sua segurança e o seu bem-estar ao seu trabalho e à sua atividade.

Ao que é extremamente fraco de corpo, Deus concebeu a inteligência para o compensar;

mas há sempre trabalho.

 

Provérbios 2 : 6 – 7

Porque o SENHOR dá a sabedoria, e da sua boca vem a inteligência e o entendimento.

Ele reserva a verdadeira sabedoria para os retos;

é escudo para os que caminham na sinceridade,

 

 

Livro : O Evangelho segundo o EspiritismoCapítulo XXVBUSCAI E ACHAREISAJUDA-TE, E O CÉU TE AJUDARÁ itens 1 – 4.

 

AJUDA-TE, E O CÉU TE AJUDARÁ

 

1 – Pedi, e dar-se-vos-á,

buscai, e achareis;

batei, e abrir-se-vos-á.

 

Porque todo o que pede, recebe;

e o que busca, acha;

e a quem bate, abrir-se-á.

 

Ou qual de vós, porventura, é o homem que, se seu filho lhe pedir pão, lhe dará uma pedra?

Ou, porventura, se lhe pedir um peixe, lhe dará uma serpente?

 

Pois se vós outros, sendo maus, sabeis dar boas dádivas a vossos filhos,

quanto mais vosso Pai, que está nos Céus, dará boas dádivas aos que lhas pedirem. (Mateus, VII: 7-11).

 

 

2 – Segundo o modo de ver terreno, a máxima:

Buscai e achareis,

é semelhante a esta outra:

Ajuda-te e o céu te ajudará.

 

É o princípio da lei do trabalho, e por conseguinte, da lei do progresso.

Porque o progresso é o produto do trabalho,

desde que é este que põe em ação as forças da inteligência.

 

I Tessalonicenses 4 : 9 – 12

No tocante ao amor fraternal, não há necessidade de que eu vos escreva,

porquanto vós mesmos estais por Deus instruídos que deveis amar-vos uns aos outros;

 

10 e, na verdade, estais praticando isso mesmo para com todos os irmãos em toda a Macedônia.

 

Contudo, vos exortamos, irmãos, a progredirdes cada vez mais

11 e a diligenciardes por viver tranquilamente,

cuidar do que é vosso

e trabalhar com as próprias mãos, como vos ordenamos;

 

12 de modo que vos porteis com dignidade para com os de fora e de nada venhais a precisar.

 

 

Na infância da Humanidade, o homem só aplica a sua inteligência na procura de alimentos, dos meios de se preservar das intempéries e de se defender dos inimigos.

 

Mas Deus lhe deu, a mais do que ao animal, o desejo constante de melhorar, ou seja, essa aspiração do melhor, que o impele à pesquisa dos meios de melhorar a sua situação, levando-o às descobertas, às invenções, ao aperfeiçoamento da ciência, pois é a ciência que lhe proporciona o que lhe falta.

 

Graças às suas pesquisas, sua inteligência se desenvolve, sua moral se depura.

Às necessidades do corpo sucedem as necessidades do espírito:

após o alimento material, ele necessita do alimento espiritual.

É assim que o homem passa da selvageria à civilização.

 

 

I Coríntios 3 : 1 – 2

Eu, porém, irmãos, não vos pude falar como a espirituais, e sim como a carnais, como a crianças em Cristo.

 

Leite vos dei a beber, não vos dei alimento sólido;

porque ainda não podíeis suportá-lo.

Nem ainda agora podeis, porque ainda sois carnais.

 

 

Mas o progresso que cada homem realiza individualmente, durante a vida terrena, é coisa insignificante, e num grande número deles, até mesmo imperceptível.

Como, então, a Humanidade poderia progredir, sem a preexistência e a reexistência da alma?

 

Jeremias 1 : 5 – ANTES que eu te formasse no ventre materno , eu te conheci e ANTES que saísses da madre , te consagrei profeta às nações..

Jeremias 1 : 5 – Antes de Jeremias nascer , ele, como espírito, já tinha sido consagrado e constituído profeta por Deus.

 

 

Gálatas 1 : 15 – Quando, porém ao que me separou ANTES de eu nascer e me chamou pela sua graça, aprouve

16  revelar seu Filho em mim, para que eu o pregasse entre os gentios, sem detença, não consultei carne e sangue,

 

Em Gálatas 1 :15 , Paulo diz que Deus o separou antes de nascer. Isto quer dizer que ele era espírito e Deus o preparou para a sua missão na Terra , de evangelização.

 

 

Filipenses 1 : 21 – 24

21  Porquanto, para mim, o viver é Cristo, e o morrer é lucro.

22  Entretanto, se o viver na carne traz fruto para o meu trabalho, já não sei o que hei de escolher.

23  Ora, de um e outro lado, estou constrangido, tendo o desejo de partir e estar com Cristo, o que é incomparavelmente melhor.

24  Mas, por vossa causa, é mais necessário permanecer na carne.

 

 

Se as almas deixassem a Terra todos os dias, para não mais voltar,

a Humanidade se renovaria sem cessar com as entidades primitivas,

que teriam tudo a fazer e tudo a aprender.

 

Não haveria razão, portanto, para que o homem de hoje fosse mais adiantado que o dos primeiros tempos do mundo,

pois que, para cada nascimento, o trabalho intelectual teria de recomeçar.

 

A alma voltando, ao contrário, com o seu progresso já realizado,

e adquirindo de cada vez alguma experiência a mais,

vai assim passando gradualmente da barbárie à civilização material,

e desta à civilização moral. (Ver cap. IV, nº 17).

 

 

João 3 : 1 – 12

Havia, entre os fariseus, um homem chamado Nicodemos, um dos principais dos judeus.

Este, de noite, foi ter com Jesus e lhe disse: Rabi, sabemos que és Mestre vindo da parte de Deus;

porque ninguém pode fazer estes sinais que tu fazes, se Deus não estiver com ele.

 

A isto, respondeu Jesus:

Em verdade, em verdade te digo que, se alguém não nascer de novo,

não pode ver o reino de Deus.

 

4 Perguntou-lhe Nicodemos:

Como pode um homem nascer, sendo velho?

Pode, porventura, voltar ao ventre materno e nascer segunda vez?

 

Respondeu Jesus:

Em verdade, em verdade te digo:

quem não nascer da água e do Espírito

não pode entrar no reino de Deus.

 

O que é nascido da carne é carne;

e o que é nascido do Espírito é espírito.

 

Não te admires de eu te dizer:

importa-vos nascer de novo.

 

O vento (espírito) sopra onde quer, ouves a sua voz, mas não sabes donde vem, nem para onde vai;

assim é todo o que é nascido do Espírito.

 

Então, lhe perguntou Nicodemos:

Como pode suceder isto?

 

Acudiu Jesus:

10 Tu és mestre em Israel e não compreendes estas coisas?

 

11 Em verdade, em verdade te digo que nós dizemos o que sabemos e testificamos o que temos visto;

contudo, não aceitais o nosso testemunho.

 

12 Se, tratando de coisas terrenas, não me credes,

como crereis, se vos falar das celestiais?

 

 

3 – Se Deus tivesse liberado o homem do trabalho físico, seus membros seriam atrofiados;

se o livrasse do trabalho intelectual, seu espírito permaneceria na infância, nas condições instintivas do animal.

 

Eis porque ele fez do trabalho uma necessidade, e lhe disse:

Busca e acharás;

trabalha e produzirás;

e dessa maneira serás filho das tuas obras,

terás o mérito da sua realização,

e serás recompensado segundo o que tiveres feito.

 

 

Mateus 16 : 27 Porque o Filho do Homem há de vir na glória de seu Pai, com os seus anjos,

e, então, retribuirá a cada um conforme as suas obras.

 

Romanos 2: 6 – que retribuirá a cada um segundo o seu procedimento:

 

Romanos 14: 12 – Assim, pois, cada um de nós dará contas de si mesmo a Deus.

 

 

4 – É em virtude da aplicação desse princípio que os Espíritos não vêm poupar ao homem o seu trabalho de pesquisar,

trazendo-lhe descobertas e invenções já feitas e prontas para a utilização,

de maneira a só ter que tomá-las nas mãos, sem sequer o incômodo de um pequeno esforço, nem mesmo de pensar.

 

Se assim fosse, o mais preguiçoso poderia enriquecer-se, e o mais ignorante tornar-se sábio, ambos sem nenhum esforço,

e atribuindo-se o mérito do que não haviam feito.

 

Não, os Espíritos não vêm livrar o homem da lei do trabalho,

mas mostrar-lhe o alvo que deve atingir e a rota que  leva a ele,

dizendo: Marcha e o atingirás!

Encontrarás pedras nos teus passos;

mantém-te vigilante, e afasta-as por ti mesmo!

Nós te daremos a força necessária, se quiseres empregá-la.

(Ver Livro dos Médiuns, cap. XXVI, nº 291 e segs.).

 

 

Hebreus 1 : 14 – Não são todos eles ESPÍRITOS ministradores, enviados para serviço a favor dos que hão de herdar a salvação?

 

Hebreus 2 : 1 – 3

Por esta razão, importa que nos apeguemos, com mais firmeza, às verdades ouvidas, para que delas jamais nos desviemos.

2 Se, pois, se tornou firme a palavra falada por meio de anjos, e toda transgressão ou desobediência recebeu justo castigo,

como escaparemos nós, se negligenciarmos tão grande salvação?

A qual, tendo sido anunciada inicialmente pelo Senhor, foi-nos depois confirmada pelos que a ouviram;

 

 

Livro : O Livro dos MédiunsParte Segunda –Das Manifestações EspíritasCapítulo XXVIDas perguntas que se podem fazer aos Espíritos291.

 

291. PERGUNTAS SOBRE QUESTÕES MORAIS E MATERIAIS

 

 

17. Podemos pedir conselhos aos Espíritos?

Sim, não há dúvida.

Os Espíritos bons jamais se recusam a ajudar os que os invocam cheios de confiança,

principalmente quando se trata de assuntos da alma.

 

Mas repelem os hipócritas,

aqueles que fingem buscar a luz

e se comprazem nas trevas.

 

 

18. Os Espíritos podem aconselhar sobre questões de interesse particular?

Algumas vezes, conforme o caso.

Depende também dos Espíritos interpelados.

Os conselhos referentes à vida particular são dados com mais exatidão pelos Espíritos familiares, os que mais se ligam às pessoas e se interessam pelo que lhes concerne.

O Espírito familiar é o amigo, o confidente de vossos mais secretos pensamentos.

 

Mas frequentemente o cansais com perguntas tão estúpidas que ele se afasta.

Por outro lado seria absurdo interpelar sobre problemas íntimos a Espíritos estranhos, da mesma maneira que propô-los ao primeiro indivíduo que encontrásseis pela frente.

 

É bom não esquecer que a banalidade das perguntas é incompatível com a superioridade dos Espíritos.

Necessário também considerar as qualidades do Espírito familiar, que pode ser bom ou mau, segundo os motivos de simpatia que o ligam à pessoa.

O Espírito familiar de um homem mau é um mau Espírito, cujos conselhos podem ser perniciosos ( nocivos, perigosos).

Mas ele se afasta e cede o lugar a um Espírito melhor se o homem melhora.

O semelhante atrai o semelhante.

 

19. Os Espíritos familiares podem ajudar nos interesses materiais por meio de revelações?

Podem. E o fazem algumas vezes, segundo as circunstâncias, mas os Espíritos bons jamais se prestam a servir a cupidez.

 

Os maus fazem brilhar mil miragens aos vossos olhos para vos excitar e mistificar, levando-vos à decepção.

 

Sabei também que se a vossa prova é sofrer esta ou aquela vicissitude,

os Espíritos protetores podem vos ajudar a suportá-la com resignação,

às vezes amenizá-la, mas no interesse do vosso próprio futuro não podem afastá-la.

É assim que um bom pai não concede ao filho tudo o que este deseja.

 

 

Observação de Kardec:

 

Nossos Espíritos Protetores podem, em muitas circunstâncias, indicar-nos o melhor caminho, sem entretanto nos levarem a ele.

Do contrário perderíamos toda iniciativa e nada mais faríamos sem recorrer a eles, isso em prejuízo do nosso aperfeiçoamento.

Para progredir o homem tem sempre necessidade de adquirir experiências à sua própria custa.

É por isso que os Espíritos sábios, sempre prontos a nos aconselhar, entregam-nos às nossas próprias forças, como um instrutor hábil faz com seus alunos.

Nas circunstâncias ordinárias da vida nos aconselham pela inspiração e nos deixa assim todo mérito do bem, como toda a responsabilidade pelas más escolhas.

 

Seria abusar da condescendência dos Espíritos familiares e não compreender a sua missão, interrogá-los a todo instante sobre as questões mais corriqueiras, como o fazem certos médiuns.

 

Há os que por um sim ou um não tomam o lápis e pedem conselhos para as mais simples decisões.

Essa mania revela estreiteza de ideia e ao mesmo tempo a presunção de ter sempre um Espírito serviçal às ordens, sem nada mais a fazer do que se ocupar de nós e de nossos pequeninos interesses.

 

Além disso, equivale a aniquilar seu próprio julgamento e reduzir-se a um papel passivo, sem nenhum proveito no presente e com prejuízo certo para o progresso futuro.

Se há infantilidade em interrogar os Espíritos sobre questões fúteis, também é infantil, de parte dos Espíritos, ocuparem-se espontaneamente do que podemos chamar de rotina caseira.

Esses Espíritos podem ser bons, mas seguramente estão ainda muito terrenos.

 

 

Livro : Filosofia Espírita  XIV –  Capítulo 13Espírito Miramez Psicografado por João Nunes Maiaitem 676.

 

676/LE

 

POR QUE O TRABALHO ?

 

O trabalho é consequência da vida material animal.

Com a elevação da alma, ele vai se modificando, dada à pureza do Espírito.

No mundo espiritual elevado, o progresso atinge a modalidade do trabalho, de modo a oferecer ao trabalhador os meios conforme sua elevação espiritual.

 

Toda a atividade nobre é ação de louvor, é gratidão a Deus pelo ensejo de laborar em favor da evolução de todas as coisas.

 

A Natureza é pulsante em toda a parte;

as águas se movimentam em todos os rumos, o ar sopra em todas as direções, os raios solares se estendem por todas as gamas de vida.

 

A natureza íntima das árvores é inquieta, para mantê-las na forma que Deus lhes deu;

os átomos, com seus elétrons, prótons e nêutrons têm o seu cinetismo (movimento) próprio;

os planetas e sóis, as galáxias e acúmulos viajam pelo cosmo em velocidade empiricamente inimaginável, e Deus pulsa na intimidade de toda a criação.

A vida é, pois, movimento expresso em equação matemática.

 

Hebreus 11 : 3 – Pela fé, entendemos que foi o universo formado pela palavra de Deus, de maneira que o visível veio a existir das coisas que não aparecem.

 

Salmos 24 : 1 – 2

1 Ao SENHOR pertence a terra e tudo o que nela se contém, o mundo e os que nele habitam.

2 – Fundou-a ele sobre os mares e sobre as correntes a estabeleceu.

 

Salmos 89 : 11 – Teus são os céus, tua, a terra;

o mundo e a sua plenitude, tu os fundaste.

 

Salmos 90 : 2 – Antes que os montes nascessem e se formassem a terra e o mundo, de eternidade a eternidade, tu és Deus.

 

Provérbios 3 : 19 – 20

19  O SENHOR com sabedoria fundou a terra, com inteligência estabeleceu os céus.

20  Pelo seu conhecimento os abismos se rompem, e as nuvens destilam orvalho.

 

 

Compreendemos que o trabalho, na área do ser humano e espiritual, é necessário para que possamos manter a vida no ritmo do Criador.

 

Precisamos amar o trabalho, seja ele qual for,

e quando o fizermos, façamo-lo com perfeição,

desde a vestimenta até as orações,

desde os pensamentos até as conversações;

 

tudo é ocupação e necessário se torna que façamos tudo com inteligência,

e que sempre esteja nos inspirando o Evangelho de Jesus.

 

 

Efésios 6 : 6 – 7

não servindo à vista, como para agradar a homens,

mas como servos de Cristo, fazendo, de coração, a vontade de Deus;

 

servindo de boa vontade, como ao Senhor e não como a homens,

 

 

Colossenses 3 : 17 – E tudo o que fizerdes, seja em palavra, seja em ação,

fazei-o em nome do Senhor Jesus,

dando por ele graças a Deus Pai.

 

 

Raciocinemos sobre o que registrou Lucas, no capítulo doze, versículo seis:

Não se vendem cinco pardais por dois ceitis  (quantia ínfima) ? Entretanto, nenhum deles está em esquecimento diante de Deus.

 

As mínimas coisas são olhadas pelo Doador Divino;

nada fica no esquecimento.

Qualquer tarefa feita com honestidade é trabalho que a consciência aprova.

 

A inteligência se desenvolve no exercício permanente de lidas constantes.

No mundo espiritual se trabalha ainda mais do que nas hostes (multidão) da Terra.

 

Se Deus parar por um segundo na marca do relógio do mundo, se desfará todo o Universo, que é harmonia divina.

 

João 5 : 17 – Mas ele lhes disse:

Meu Pai trabalha até agora,

e eu trabalho também.

 

 

Se não fosse o trabalho, o homem permaneceria na infância.

Ele cresce ante o trabalho, que desperta o esforço de cada criatura.

Os nossos dons crescem no esmero de cada dia.

 

Àquele que não pode se empenhar no trabalho físico, por doença ou fraqueza do seu arcabouço (esqueleto) físico,

Deus outorgou (deu) a inteligência para operar com ela, nos pensamentos e na fala, e por vezes na escrita, nos exemplos de tolerância, de amor e caridade.

Se quiseres felicidade, pede-a a Deus pelo nome de trabalho,

que ele é a porta para o verdadeiro paraíso de amor.

 

 

Mateus 7 : 7 – 8

Pedi, e dar-se-vos-á;

buscai e achareis;

batei, e abrir-se-vos-á.

 

Pois todo o que pede recebe;

o que busca encontra;

e, a quem bate, abrir-se-lhe-á.

 

 

Desconhecemos no mundo, ou em toda a criação de Deus, algum lugar ou alguma coisa em que não haja movimento.

O que pára, morre, e se não há morte nada pára;

tudo se movimenta, dentro do hálito divino.

 

Vivemos porque trabalhamos, trabalhamos porque vivemos em Deus e Ele em nós.

 

Atos 17 : 28 –  pois nele vivemos, e nos movemos, e existimos,

 

como alguns dos vossos poetas têm dito:

Porque dele também somos geração.

 

LEIS MORAIS – LEI DO TRABALHO – 675 – NECESSIDADE DO TRABALHO.Só devemos entender por trabalho as ocupações materiais?

30 jun

LEIS MORAISLEI DO TRABALHO 675NECESSIDADE DO TRABALHO.

Só devemos entender por trabalho as ocupações materiais?

 

 

Livro : O Livro dos Espíritos Parte Terceira Leis MoraisCapítulo III Lei do TrabalhoNecessidade do Trabalhoitem 675.

 

 

675. Só devemos entender por trabalho as ocupações materiais?

 

Não; o Espírito também trabalha, como o corpo.

Toda ocupação útil é trabalho.

 

João 5 : 17 – Mas ele lhes disse:

Meu Pai trabalha até agora, e eu trabalho também.

 

Marcos 12 : 26 – 17

26  Quanto à ressurreição dos mortos, não tendes lido no Livro de Moisés, no trecho referente à sarça, como Deus lhe falou:

Eu sou o Deus de Abraão, o Deus de Isaque e o Deus de Jacó?

 

27  Ora, ele não é Deus de mortos, e sim de vivos.

Laborais em grande erro.

 

 

Livro : O Céu e o Inferno Parte Capítulo IIIO CÉUitens 5 – 7 e 13.

 

O CÉU

 

5. O homem compõe-se de corpo e Espírito:

o Espírito é o ser principal, racional, inteligente;

 

o corpo é o invólucro material que reveste o Espírito temporariamente,

para preenchimento da sua missão na Terra

e execução do trabalho necessário ao seu adiantamento

 

 

I Coríntios 15 : 40 – Também há corpos celestiais e corpos terrestres;

e, sem dúvida, uma é a glória dos celestiais, e outra, a dos terrestres.

 

 

O corpo, usado, destrói-se e o Espírito sobrevive à sua destruição.

 

Privado do Espírito, o corpo é apenas matéria inerte, qual instrumento privado da mola real de função;

 

Tiago 2 : 26 – Porque, assim como o corpo sem espírito é morto,

assim também a fé sem obras é morta.

 

 

…..sem o corpo, o Espírito é tudo; a vida, a inteligência.

Ao deixar o corpo, torna ao mundo espiritual, onde paira, para depois reencarnar.

 

Marcos 12 : 27 – Ora, ele não é Deus de mortos, e sim de vivos.

Laborais em grande erro.

 

Lucas 20 : 38 – Ora, Deus não é Deus de mortos, e sim de vivos;

porque para Ele todos vivem.

 

João 6 : 63 – O espírito é o que vivifica;

a carne para nada aproveita;

as palavras que eu vos tenho dito são espírito e são vida.

 

 

Existem, portanto, dois mundos :

o corporal, composto de Espíritos encarnados;

e o espiritual, formado dos Espíritos desencarnados.

 

I Coríntios 15 : 44 – Semeia-se corpo natural, ressuscita corpo espiritual.

Se há corpo natural, há também corpo espiritual.

 

 

Os seres do mundo corporal, devido mesmo à materialidade do seu envoltório, estão ligados à Terra ou a qualquer globo;

 

o mundo espiritual ostenta-se por toda parte, em redor de nós como no Espaço, sem limite algum designado.

 

Em razão mesmo da natureza fluídica do seu envoltório, os seres que o compõem, em lugar de se arrastarem penosamente sobre o solo,

transpõem as distâncias com a rapidez do pensamento.

 

A morte do corpo não é mais que a ruptura dos laços que os retinham cativos.

Eclesiastes 12 : 6 – 7

antes que se rompa o fio de prata,

e se despedace o copo de ouro, e se quebre o cântaro junto à fonte, e se desfaça a roda junto ao poço,

 

e o pó volte à terra, como o era, e o espírito volte a Deus, que o deu.

 

 

 6. Os Espíritos são criados simples e ignorantes, mas dotados de aptidão para tudo conhecerem e para progredirem, em virtude do seu livre-arbítrio.

 

Pelo progresso adquirem novos conhecimentos, novas faculdades, novas percepções e, conseguintemente, novos prazeres desconhecidos dos Espíritos inferiores;

eles veem, ouvem, sentem e compreendem o que os Espíritos atrasados não podem ver, sentir, ouvir ou compreender.

 

 

I Tessalonicenses 4 : 9 – 12

No tocante ao amor fraternal, não há necessidade de que eu vos escreva, porquanto vós mesmos estais por Deus instruídos

que deveis amar-vos uns aos outros;

 

10 e, na verdade, estais praticando isso mesmo para com todos os irmãos em toda a Macedônia.

 

Contudo, vos exortamos, irmãos, a progredirdes cada vez mais

 

11  e a diligenciardes por viver tranquilamente, cuidar do que é vosso e trabalhar com as próprias mãos, como vos ordenamos;

12 de modo que vos porteis com dignidade para com os de fora e de nada venhais a precisar.

 

A felicidade está na razão direta do progresso realizado,

 

de sorte que, de dois Espíritos, um pode não ser tão feliz quanto outro,

unicamente por não possuir o mesmo adiantamento intelectual e moral,

sem que por isso precisem estar, cada qual, em lugar distinto.

 

 

Provérbios 3 : 13 – 15

13 Feliz o homem que acha sabedoria, e o homem que adquire conhecimento;

 

14  porque melhor é o lucro que ela dá do que o da prata, e melhor a sua renda do que o ouro mais fino.

15  Mais preciosa é do que pérolas, e tudo o que podes desejar não é comparável a ela.

 

Ainda que juntos, pode um estar em trevas,

enquanto tudo resplandece para o outro,

tal como um cego e um vidente que se dão as mãos:

este percebe a luz da qual aquele não recebe a mínima impressão.

 

Sendo a felicidade dos Espíritos inerente às suas qualidades,

haurem-na eles em toda parte em que se encontram,

seja à superfície da Terra, no meio dos encarnados, ou no Espaço.

 

 

Uma comparação vulgar fará compreender melhor esta situação.

 

Se, se encontrarem em um concerto dois homens, um, bom músico, de ouvido educado, e outro, desconhecedor da música, de sentido auditivo pouco delicado,

 

o primeiro experimentará sensação de felicidade,

enquanto o segundo permanecerá insensível,

 

porque um compreende e percebe o que nenhuma impressão produz no outro.

 

Assim sucede quanto a todos os prazeres dos Espíritos, que estão na razão da sua sensibilidade.

 

O mundo espiritual tem esplendores por toda parte, harmonias e sensações

que os Espíritos inferiores, submetidos à influência da matéria, não entreveem sequer,

e que somente são acessíveis aos Espíritos purificados.

 

 

Mateus 17 : 2 – E foi transfigurado (Jesus) diante deles;

o seu rosto resplandecia como o sol,

e as suas vestes tornaram-se brancas como a luz.

 

Lucas 9 : 29 – 31

29  E aconteceu que, enquanto ele (Jesus) orava, a aparência do seu rosto se transfigurou e suas vestes resplandeceram de brancura.

30  Eis que dois varões falavam com ele: Moisés e Elias,

31  os quais apareceram em glória e falavam da sua partida, que ele estava para cumprir em Jerusalém.

 

 

7. O progresso nos Espíritos é o fruto do próprio trabalho; 

mas, como são livres, trabalham no seu adiantamento com maior ou menor atividade,

com mais ou menos negligência, segundo sua vontade,

acelerando ou retardando o progresso e,

por conseguinte, a própria felicidade.

 

 

Enquanto uns avançam rapidamente, entorpecem-se outros, quais poltrões (preguiçosos) nas fileiras inferiores.

São eles, pois, os próprios autores da sua situação, feliz ou desgraçada,

conforme esta frase do Cristo:

 

Apocalipse 22 : 12 – E eis que venho sem demora, e comigo está o galardão que tenho para

retribuir a cada um segundo as suas obras.

 

 

Todo Espírito que se atrasa não pode queixar-se senão de si mesmo,

assim como o que se adianta tem o mérito exclusivo do seu esforço,

dando por isso maior apreço à felicidade conquistada.

 

 

Lucas 16 : 16 – A Lei e os Profetas vigoraram até João;

desde esse tempo, vem sendo anunciado o evangelho do reino de Deus

e todo homem se esforça por entrar nele.

 

 

A suprema felicidade só é compartilhada pelos Espíritos perfeitos, ou, por outra, pelos puros Espíritos,

que não a conseguem senão depois de haverem progredido em inteligência e moralidade.

 

O progresso intelectual e o progresso moral raramente marcham juntos,

mas o que o Espírito não consegue em dado tempo, alcança em outro,

de modo que os dois progressos acabam por atingir o mesmo nível.

 

 

Eis por que se veem muitas vezes homens inteligentes e instruídos,

pouco adiantados moralmente, e vice-versa.

 

 

13. As atribuições dos Espíritos são proporcionadas ao seu progresso,

às luzes que possuem,

às suas capacidades,

experiência

e grau de confiança inspirada ao Senhor soberano.

 

 

Nem favores, nem privilégios que não sejam o prêmio ao mérito;

tudo é medido e pesado na balança da estrita justiça.

 

As missões mais importantes

são confiadas somente àqueles que Deus julga capazes de as cumprir

e incapazes de desfalecimento ou comprometimento.

 

 

E enquanto que os mais dignos compõem o supremo conselho, sob as vistas de Deus,

a chefes superiores é cometida a direção de turbilhões planetários,

e a outros conferida a de mundos especiais.

 

Vêm, depois, pela ordem de adiantamento e subordinação hierárquica, as atribuições mais restritas dos prepostos ao progresso dos povos,

à proteção das famílias e indivíduos,

ao impulso de cada ramo de progresso,

às diversas operações da natureza até os mais ínfimos pormenores da Criação.

 

 

Hebreus 1 : 14 – Não são todos eles ESPÍRITOS ministradores, enviados para serviço a favor dos que hão de herdar a salvação?

 

 

Neste vasto e harmônico conjunto há ocupações para todas as capacidades, aptidões e esforços;

ocupações aceitas com júbilo, solicitadas com ardor, por serem um meio de adiantamento para os Espíritos que ao progresso aspiram.

 

 

Observação :

No livro O Céu e o Inferno – 2ª Parte, há vários exemplos da vida espiritual.

 

 

Livro : O Evangelho segundo o Espiritismo Capítulo XXTRABALHADORES DA ÚLTIMA HORAitem 5TRABALHADORES DO SENHOR.

 

 

III – TRABALHADORES DO SENHOR

ESPÍRITO DE VERDADEParis, 1862

 

 

Mateus  20 : 1 – 16

Porque o reino dos céus é semelhante a um dono de casa que saiu de madrugada para assalariar trabalhadores para a sua vinha.

E, tendo ajustado com os trabalhadores a um denário (antiga moeda romana) por dia, mandou-os para a vinha.

 

Saindo pela terceira hora, viu, na praça, outros que estavam desocupados

e disse-lhes: Ide vós também para a vinha, e vos darei o que for justo. Eles foram.

 

Tendo saído outra vez, perto da hora sexta e da nona, procedeu da mesma forma,

e, saindo por volta da hora undécima (onze), encontrou outros que estavam desocupados e perguntou-lhes: Por que estivestes aqui desocupados o dia todo?

Responderam-lhe: Porque ninguém nos contratou.

Então, lhes disse ele: Ide também vós para a vinha.

 

Ao cair da tarde, disse o senhor da vinha ao seu administrador: Chama os trabalhadores e paga-lhes o salário, começando pelos últimos, indo até aos primeiros.

 

Vindo os da hora undécima, recebeu cada um deles um denário.

 

10  Ao chegarem os primeiros, pensaram que receberiam mais;

porém também estes receberam um denário cada um.

 

11  Mas, tendo-o recebido, murmuravam contra o dono da casa,

12  dizendo: Estes últimos trabalharam apenas uma hora;

contudo, os igualaste a nós, que suportamos a fadiga e o calor do dia.

 

13  Mas o proprietário, respondendo, disse a um deles:

Amigo, não te faço injustiça; não combinaste comigo um denário?

 

14  Toma o que é teu e vai-te;

pois quero dar a este último tanto quanto a ti.

 

15  Porventura, não me é lícito fazer o que quero do que é meu?

Ou são maus os teus olhos porque eu sou bom?

 

16  Assim, os últimos serão primeiros,

e os primeiros serão últimos

porque muitos são chamados, mas poucos escolhidos.

 

 

5 – Chegastes no tempo em que se cumprirão as profecias referentes à transformação da Humanidade.

 

Felizes serão os que tiverem trabalhado o campo do Senhor com desinteresse, e movidos apenas pela caridade!

 

Suas jornadas de trabalho serão pagas ao cêntuplo do que tenham esperado.

 

Felizes serão os que houverem dito a seus irmãos:

“Trabalhemos juntos, e unamos os nossos esforços, a fim de que o Senhor, na sua vinda, encontre a obra acabada”,

 

porque a esses o Senhor dirá:

Vinde a mim, vós que sois os bons servidores,

vós que soubestes calar os vossos melindres e as vossas discórdias,

para que a obra não sofresse!.

 

 

Mas infelizes os que, por suas dissensões (divergência de opiniões ou de interesses), houverem retardado a hora da colheita,

porque a tempestade chegará e eles serão levados no turbilhão!

 

Nessa hora clamarão: “Graça! Graça!”

Mas o Senhor lhes dirá: “Por que pedis graça, se não tivestes piedade de vossos irmãos,

se vos recusastes a lhes estender as mãos,

e se esmagastes o fraco em vez de o socorrer?

 

Por que pedis graça, se procurastes a recompensa nos prazeres da Terra

e na satisfação do vosso orgulho?

 

Já recebeste a vossa recompensa, de acordo com a vossa vontade.

Nada mais tendes a pedir.

As recompensas celestes são para aqueles que não houverem pedido recompensas da Terra.

 

 

 Deus faz, neste momento, a enumeração dos seus servidores fiéis.

 

E já marcou pelo seu dedo os que só têm a aparência do devotamento,

para que não usurpem o salário dos servidores corajosos.

 

Porque é a esses, que não recuaram diante de sua tarefa,

que vai confiar os postos mais difíceis,

na grande obra da regeneração pelo Espiritismo.

 

E estas palavras se cumprirão:

“Os primeiros serão os últimos, e os últimos serão os primeiros no Reino dos Céus!”.

 

 

Livro : Filosofia Espírita  XIV –  Capítulo 12 Espírito MiramezPsicografado por João Nunes Maiaitem 675.

 

675/LE

 

OCUPAÇÕES MATERIAIS  

 

 

Em se falando das leis do trabalho, não poderemos esquecer que ele se divide ao infinito.

As ocupações materiais são necessárias para a sobrevivência dos homens e para o bem-estar de todos os povos,

pois é por elas que se opera o levantamento das casas, o movimento de todas as indústrias,

enfim, todas as atividades da sociedade, em todos os países, em troca de experiências.

 

No entanto, existem as ocupações morais, as espirituais, tão necessárias quanto as outras, ou muito mais, pelo aprimoramento das almas.

 

A política é um trabalho nobre a ser feito palas ações do mundo,

no entanto, os políticos do mundo se esqueceram de Jesus nas suas leis,

e quando trazem traços do Evangelho nos seus estatutos,

não procuram vivenciá-lo, para não prejudicarem seu bem-estar.

 

Falam em democracia, em trabalho para o povo,

e pelo exemplo criam uma divisória entre eles e a plebe (povo) em todos os sentidos, pelo ganho, pela educação e pela vida.

 

Isso vai acabar, quando Jesus chegar aos seus corações.

Ele já veio, mas os mandatários não O conheceram.

 

Passaram-se quase dois mil anos (este livro foi escrito em 1990) e talvez sejam precisos mais mil para Jesus chegar aos corações das criaturas.

 

É preciso primeiro saber e sentir que todos são irmãos, e que as necessidades de uns são as dos outros.

Antes, dai esmola do que tiverdes, e tudo vos será limpo.(Lucas 11: 41)

 

Se os políticos querem considerar que os benefícios sejam esmolas, que seja assim,

mas que deem o que puderem em favor dos que sofrem,

criando leis de garantia, escolas e casas, e recursos para a alimentação mais fácil para todos os que vivem.

Nesse trabalho por amor, eles serão limpos do magnetismo tisnado (manchado) nas suas consciências.

 

Observemos que as ocupações piores são as dos pobres

e são eles os que sofrem mais nos duros trabalhos,

com salários que não condizem com a vida humana.

 

 

Em Mateus, no capítulo nove, versículo trinta e sete, Jesus acrescenta :

 

E então se dirigiu a seus discípulos :

 

– A seara, na verdade, é grande,

mas os trabalhadores são poucos.

 

 

Jesus pede a todos os de boa vontade para ingressarem nas fileiras dos poucos trabalhadores,

 

para aumentar o conjunto dos que amam os seus semelhantes

e renunciam aos seus próprios interesses,

interessando-se mais pelos que padecem.

 

Jesus aproxima-se da Terra e dá mais ordens :

 

é o arrocho divino,

é o fim dos tempos,

quando a vinha está ficando madura,

quando deve ser colhido o trigo

e o joio lançado ao fogo ardente das provações.

 

 

A Doutrina Espírita é Jesus novamente anunciando a verdade para que muitos possam ser salvos das tempestades.

 

Os Espíritos do Senhor comunicam-se de norte a sul, de leste a oeste, com a mesma mensagem de amor.

 

 

Hebreus 1 : 14 – Não são todos eles ESPÍRITOS ministradores, enviados para serviço a favor dos que hão de herdar a salvação?

 

Hebreus 2 : 1 – 3

Por esta razão, importa que nos apeguemos, com mais firmeza,

às verdades ouvidas, para que delas jamais nos desviemos.

 

Se, pois, se tornou firme a palavra falada por meio de anjos,

e toda transgressão ou desobediência recebeu justo castigo,

 

como escaparemos nós, se negligenciarmos tão grande salvação?

 

A qual, tendo sido anunciada inicialmente pelo Senhor, foi-nos depois confirmada pelos que a ouviram;

 

 

Os Seus discípulos verdadeiros conhecem a Sua voz,

e se reunirão em um só rebanho,

para escutar com maior sensibilidade a voz do Pastor.

 

João 10 : 16 – Ainda tenho outras ovelhas, não deste aprisco;

a mim me convém conduzi-las,

elas ouvirão a minha voz;

então, haverá um rebanho e um pastor.

 

 

Cuidemos das ocupações materiais,

porém não nos esqueçamos do serviço que Deus, pela voz de Jesus,

nos pede para fazer por amor.

 

João 15 : 17 – Isto vos mando:

que vos ameis uns aos outros.

 

 

Mateus 25 : 34 – 40

34  então, dirá o Rei aos que estiverem à sua direita:

Vinde, benditos de meu Pai!

Entrai na posse do reino que vos está preparado desde a fundação do mundo.

 

35  Porque tive fome, e me destes de comer;

tive sede, e me destes de beber;

era forasteiro, e me hospedastes;

 

36  estava nu, e me vestistes;

enfermo, e me visitastes;

preso, e fostes ver-me.

 

37  Então, perguntarão os justos:

Senhor, quando foi que te vimos com fome e te demos de comer?

Ou com sede e te demos de beber?

 

38  E quando te vimos forasteiro e te hospedamos?

Ou nu e te vestimos ?

 

39  E quando te vimos enfermo ou preso e te fomos visitar?

 

40  O Rei, respondendo, lhes dirá:

Em verdade vos afirmo

que, sempre que o fizestes a um destes meus pequeninos irmãos,

a mim o fizestes.

 

LEIS MORAIS – LEI DO TRABALHO – 674 – NECESSIDADE DO TRABALHO – A necessidade do trabalho é uma lei da Natureza?

16 jun

LEIS MORAISLEI DO TRABALHO674NECESSIDADE DO TRABALHO –

A necessidade do trabalho é uma lei da Natureza ?

 

 

 

Livro : O Livro dos EspíritosParte TerceiraLeis MoraisCapítulo IIILei do TrabalhoNecessidade do Trabalho.

 

 

NECESSIDADE DO TRABALHO

 

 

674. A necessidade do trabalho é uma lei da Natureza?

O trabalho é uma lei da Natureza, e por isso mesmo é uma necessidade.

A civilização obriga o homem a trabalhar mais, porque aumenta as suas necessidades e os seus prazeres.

 

Salmos 128 : 2 – Do trabalho de tuas mãos comerás, feliz serás, e tudo te irá bem.

 

 

Livro : O Céu e o InfernoPrimeira ParteCapítulo VIIAs Penas Futuras segundo o EspiritismoCódigo Penal da Vida Futuraitem 32º.

 

 

Código Penal da Vida Futura

 

 

32º) Deus, diz-se, não daria prova maior de amor às suas criaturas, criando-as infalíveis e, por conseguinte, isentas dos vícios inerentes à imperfeição?

 

Para tanto fora preciso que Ele criasse seres perfeitos, nada mais tendo a adquirir, quer em conhecimentos, quer em moralidade.

 

Certo, porém, Deus poderia fazê-lo, e se o não fez é que em sua sabedoria quis que o progresso constituísse lei geral.

 

Os homens são imperfeitos, e, como tais, sujeitos a vicissitudes mais ou menos penosas.

 

E pois que o fato existe, devemos aceitá-lo.

 

 

Mateus 11 : 12 – Desde os dias de João Batista até agora, o reino dos céus é tomado por esforço,

e os que se esforçam se apoderam dele.

 

 

Lucas 16 : 16 – A Lei e os Profetas vigoraram até João;

desde esse tempo, vem sendo anunciado o evangelho do reino de Deus,

e todo homem se esforça por entrar nele.

 

 

I Pedro 5 : 10 – depois de terdes sofrido por um pouco,

Ele mesmo vos há de aperfeiçoar, firmar, fortificar e fundamentar.

 

 

Inferir dele que Deus não é bom nem justo, fora insensata revolta contra a lei.

 

Injustiça haveria, sim, na criação de seres privilegiados, mais ou menos favorecidos, fruindo prazeres que outros porventura não atingem senão pelo trabalho, ou que jamais pudessem atingir.

 

Ao contrário, a Justiça divina patenteia-se na igualdade absoluta que preside à criação dos Espíritos;

 

todos têm o mesmo ponto de partida e nenhum se distingue em sua formação por melhor aquinhoado;

 

nenhum cuja marcha progressiva se facilite por exceção:

os que chegam ao fim, têm passado, como quaisquer outros, pelas fases de inferioridade e respectivas provas.

 

Isto posto, nada mais justo que a liberdade de ação a cada qual concedida.

 

O caminho da felicidade a todos se abre amplo, como a todos as mesmas condições para atingi-la.

 

A lei, gravada em todas as consciências, a todos é ensinada.

 

Deus fez da felicidade o prêmio do trabalho, e não do favoritismo, para que cada qual tivesse seu mérito.

 

 

Romanos 14 : 12 – Assim, pois, cada um de nós dará contas de si mesmo a Deus.

II Coríntios 5 : 10 – Porque importa que todos nós compareçamos perante o tribunal de Cristo,

para que cada um receba segundo o bem ou o mal que tiver feito por meio do corpo.

 

 

Todos somos livres no trabalho do próprio progresso, e o que muito e depressa trabalha, mais cedo recebe a recompensa.

 

O romeiro que se desgarra, ou em caminho perde tempo, retarda a marcha e não pode queixar-se senão de si mesmo.

 

O bem como o mal são voluntários e facultativos:

livre, o homem não é fatalmente impelido para um nem para outro.

 

 

Romanos 12 : 17 – 18

17 Não torneis a ninguém mal por mal;

esforçai-vos por fazer o bem perante todos os homens;

18 se possível, quanto depender de vós,

tende paz com todos os homens;

 

 

Livro : Filosofia Espírita XIVCapítulo 11Espírito MiramezPsicografado por João Nunes Maiaitem 674.

 

 

674/LE

 

TRABALHO, LEI DA NATUREZA

 

 

O trabalho, sendo lei da Natureza, constitui uma necessidade de todos os povos, sendo o sustentáculo de todas as civilizações do mundo.

 

Cumpre a todas as criaturas terem essa obrigação de trabalhar para viver, de que os três reinos da Natureza dão exemplo de labor constante.

 

Salmos 128: 1 – 3

1 Bem-aventurado aquele que reverencia ao SENHOR e anda nos seus caminhos!

2 Do trabalho de tuas mãos comerás, feliz serás, e tudo te irá bem.

3 Tua esposa, no interior de tua casa, será como a videira frutífera;

teus filhos, como rebentos da oliveira, à roda da tua mesa.

 

 

O próprio corpo humano, essa máquina divina em todas as particularidades, é exemplo nobre de movimentos rítmicos, operando em seu conjunto, o despertamento de novas forças que buscam o mais além.

 

A ciência, nos dias que correm, nos mostra que nada existe inerte;

tudo se movimenta, tudo trabalha por ordem d’Aquele que a tudo criou, desde a força interatômica, até as constelações;

desde os seres rastejantes na terra até os anjos dos céus.

 

Todos têm obrigação de laborar, como co-criadores de novos ambientes, juntamente com a força do progresso estabelecido por Deus.

 

João 5 : 17 – Mas ele lhes disse:

Meu Pai trabalha até agora, e eu trabalho também.

 

 

Convém que todas as criaturas não se esqueçam dessa lei maravilhosa, que é a Lei do Trabalho com amor.

 

O homem não deve somente visar aos interesses passageiros,

mas sentir e se esforçar para cumprir seus deveres,

favorecendo toda a humanidade.

 

João 6 : 27 – Trabalhai, não pela comida que perece,

mas pela que subsiste para a vida eterna, a qual o Filho do Homem vos dará;

porque Deus, o Pai, o confirmou com o seu selo.

 

I Tessalonicenses 4 : 9 – 12

9 No tocante ao amor fraternal, não há necessidade de que eu vos escreva,

porquanto vós mesmos estais por Deus instruídos que deveis amar-vos uns aos outros;

10 e, na verdade, estais praticando isso mesmo para com todos os irmãos em toda a Macedônia.

 

Contudo, vos exortamos, irmãos, a progredirdes cada vez mais

 

11 e a diligenciardes por viver tranquilamente,

cuidar do que é vosso

e trabalhar com as próprias mãos, como vos ordenamos;

 

12 de modo que vos porteis com dignidade para com os de fora e de nada venhais a precisar.

 

 

Se desejamos trabalhar, façamo-lo com alegria,

sem esquecermos a perfeição e o amor.

 

A felicidade em nossos caminhos exige que trabalhemos constantemente.

 

 

Gálatas 5 : 22 – 23

22 Mas o fruto do Espírito é:

amor, alegria, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fidelidade,

23 mansidão, domínio próprio.

Contra estas coisas não há lei.

 

Colossences 3 : 17 – E tudo o que fizerdes,

seja em palavra, seja em ação,

fazei-o em nome do Senhor Jesus,

dando por ele graças a Deus Pai.

 

 

Permanecei na mesma casa, comendo e bebendo do que eles tiverem,

porque digno é o trabalhador do seu salário.

Não andeis a mudar de casa em casa. (Lucas 10 : 7).

 

 

Jesus, quando enviou os setenta companheiros de dois em dois, para anunciarem a Boa Nova do Reino de Deus, pediu-lhes para permanecerem nos lugares determinados, falando e vivendo os preceitos do Evangelho.

 

Esse era um trabalho divino, e que não ficassem andando de casa em casa, permanecendo no lugar indicado até que fossem conhecidos os fundamentos da mensagem de Deus.

 

O trabalho não deve se fixar somente nas coisas materiais, mas se estender em todas as direções daquilo que o homem sabe ou precisa saber.

 

Pensar é trabalho,

e saber pensar é de ordem divina;

 

Romanos 12 : 3 – Porque, pela graça que me foi dada, digo a cada um dentre vós que não pense de si mesmo além do que convém;

antes, pense com moderação,

segundo a medida da fé que Deus repartiu a cada um.

 

 

…..falar é trabalho,

e saber falar é de grande valor espiritual.

 

Colossences 4 : 3 – 6

3 Suplicai, ao mesmo tempo, também por nós, para que Deus nos abra porta à palavra,

a fim de falarmos do mistério de Cristo, pelo qual também estou algemado;

4 para que eu o manifeste, como devo fazer.

5 Portai-vos com sabedoria para com os que são de fora; aproveitai as oportunidades.

6 A vossa palavra seja sempre agradável, temperada com sal, para saberdes como deveis responder a cada um.

 

 

Enfim, tudo o que existe pode ser alvo de trabalho,

mas nem tudo nos serve para operar.

 

I Coríntios 10 : 23 – Todas as coisas são lícitas,

mas nem todas convêm;

 

todas são lícitas,

mas nem todas edificam.

 

 

Usemos a inteligência em conexão com a consciência,

e escutemos o que ela determina no clima de Jesus Cristo,

para que possamos fazer bem o nosso trabalho.

 

 

Provérbios 2 : 6 – 10

6 Porque o SENHOR dá a sabedoria, e da sua boca vem a inteligência e o entendimento.

7 Ele reserva a verdadeira sabedoria para os retos ;

é escudo para os que caminham na sinceridade,

8 guarda as veredas do juízo e conserva o caminho dos seus santos.

9 Então, entenderás justiça, juízo e equidade, todas as boas veredas.

10 Porquanto a sabedoria entrará no teu coração,

e o conhecimento será agradável à tua alma.

 

 

A civilização, mostrando-se nas leis dos homens, multiplica-lhes o trabalho, pelo seu crescimento, ao ver as suas necessidades e os prazeres que o mundo oferece.

Quem rejeita o trabalho que as leis da Terra exigem, está se marginalizando e ficando fora da lei da Natureza.

 

 

II Tessalonicenses 3 : 10 – 12

10 Porque, quando ainda convosco, vos ordenamos isto:

se alguém não quer trabalhar, também não coma.

11 Pois, de fato, estamos informados de que, entre vós, há pessoas que andam desordenadamente, não trabalhando;

antes, se intrometem na vida alheia

12 A elas, porém, determinamos e exortamos, no Senhor Jesus Cristo,

que, trabalhando tranquilamente, comam o seu próprio pão.

 

 

Mesmo quem já se encontra fora das leis dos homens, sem trabalhar para sobreviver, que ajude a quem precisa, e que são muitos, velhos, crianças e doentes, pois esse é um trabalho com Deus, sob a direção de Jesus.

 

Assim, ele virá a ser digno do salário espiritual, e quando voltar para a prática espiritual, poderá estar à direita do Senhor.

 

Direita a que nos referimos é a consciência reta e tranquila pelo dever cumprido.

 

I Coríntios 15 : 58 – Portanto, meus amados irmãos, sede firmes, inabaláveis e sempre abundantes na obra do Senhor,

sabendo que, no Senhor, o vosso trabalho não é vão.

 

 

Não se pode viver somente para si;

é preciso que seja eliminado o egoísmo das atividades humanas, pois ele é a cerca que divide os dois mundos.

 

I Coríntios 10 : 24 – Ninguém busque o seu próprio interesse,

e sim o de outrem.

 

Para que se tenha a passagem livre, necessário se faz que se envolva, em toda a sua vida, com a força benfeitora da caridade.

Necessário é libertar-se com ela, para que o amor acenda no coração a luz da vida.

 

Hebreus 13 : 16 – Não negligencieis, igualmente, a prática do bem e a mútua cooperação;

pois, com tais sacrifícios, Deus se compraz.

 

 

Livro : CAMINHO, VERDADE E VIDACapítulo 4TRABALHOEspírito EmmanuelPsicografado por Francisco Cândido Xavier.

 

 

TRABALHO

 

“E Jesus lhes respondeu :

Meu Pai trabalha até agora, e eu trabalho também.” (João 5 : 17)

Em todos os recantos, observamos criaturas queixosas e insatisfeitas.

Quase todas pedem socorro.

Raras amam o esforço que lhes foi conferido.

A maioria revolta-se contra o gênero de seu trabalho.

Os que varrem as ruas querem ser comerciantes;

os trabalhadores do campo prefeririam a existência na cidade.

O problema, contudo, não é de gênero de tarefa,

mas o de compreensão da oportunidade recebida.

De modo geral, as queixas, nesse sentido, são filhas da preguiça inconsciente.

É o desejo ingênito (inato) de conservar o que é inútil e ruinoso, das quedas no pretérito obscuro.

Mas Jesus veio arrancar-nos da “morte no erro”.

Trouxe-nos a bênção do trabalho, que é o movimento incessante da vida.

Para que saibamos honrar nosso esforço, referiu-se ao Pai que não cessa de servir em sua obra eterna de amor e sabedoria e à sua tarefa própria, cheia de imperecível dedicação à Humanidade.

Quando te sentires cansado, lembra-te de que Jesus está trabalhando.

 

Começamos ontem nosso humilde labor,

e o Mestre se esforça por nós, desde quando ?

 

LEIS MORAIS – LEI DA ADORAÇÃO – 673 – SACRIFÍCIOS – Não haveria um meio de tornar essas oferendas mais agradáveis a Deus, consagrando-as ao amparo dos que não têm sequer o necessário?

30 maio

LEIS MORAISLEI DA ADORAÇÃO673SACRIFÍCIOSNão haveria um meio de tornar essas oferendas mais agradáveis a Deus, consagrando-as ao amparo dos que não têm sequer o necessário?

 

Livro : O Livro dos EspíritosParte TerceiraLeis MoraisCapítulo IILei da AdoraçãoSacrifíciositem 673.

 

673. Não haveria um meio de tornar essas oferendas mais agradáveis a Deus, consagrando-as ao amparo dos que não têm sequer o necessário?

 

E, nesse caso, o sacrifício dos animais, realizado com uma finalidade útil, não seria mais meritório que o sacrifício abusivo, que não servia para nada ou não aproveitava senão aos de que nada precisavam?

 

Não haveria algo de realmente piedoso em se consagrar aos pobres, as primícias dos bens da terra que Deus nos concede?

 

      Deus abençoa sempre os que praticam o bem;

amparar os pobres e os aflitos é o melhor meio de homenageá-lo.

 

Provérbios 3 : 27 – 28

27  Não te furtes a fazer o bem a quem de direito, estando na tua mão o poder de fazê-lo.

 

28  Não digas ao teu próximo: Vai e volta amanhã;

então, to darei, se o tens agora contigo.

 

 

Mateus 25 : 35 – 40

35 Porque tive fome, e me destes de comer;

tive sede, e me destes de beber;

era forasteiro, e me hospedastes;

 

36 estava nu, e me vestistes;

enfermo, e me visitastes;

preso, e fostes ver-me.

 

37  Então, perguntarão os justos:

Senhor, quando foi que te vimos com fome e te demos de comer?

Ou com sede e te demos de beber?

 

38  E quando te vimos forasteiro e te hospedamos?

Ou nu e te vestimos?

 

39  E quando te vimos enfermo ou preso e te fomos visitar?

 

40  O Rei, respondendo, lhes dirá:

Em verdade vos afirmo que, sempre que o fizestes a um destes meus pequeninos irmãos, a mim o fizestes.

 

 

Hebreus 13 : 16 – Não negligencieis, igualmente, a prática do bem e a mútua cooperação;

pois, com tais sacrifícios, Deus se compraz.

 

 

Já vos disse, por isso mesmo, que Deus desaprova as cerimônias que fazeis para as vossas preces, pois há muito dinheiro que poderia ser empregado mais utilmente.

O homem que se prende à exterioridade e não ao coração é um espírito de vista acanhada;

julgai se Deus deve importar-se mais com a forma do que o fundo.

 

 

I Timóteo 6 : 6 – 11

De fato, grande fonte de lucro é a piedade com o contentamento.

 

Porque nada temos trazido para o mundo, nem coisa alguma podemos levar dele.

 

Tendo sustento e com que nos vestir, estejamos contentes.

 

9 Ora, os que querem ficar ricos caem em tentação, e cilada, e em muitas concupiscências insensatas e perniciosas, as quais afogam os homens na ruína e perdição.

 

10 Porque o amor do dinheiro é raiz de todos os males;

e alguns, nessa cobiça, se desviaram da fé e a si mesmos se atormentaram com muitas dores.

 

11 Tu, porém, ó homem de Deus, foge destas coisas;

antes, segue a justiça, a piedade, a fé, o amor, a constância, a mansidão.

 

 

Livro : O Evangelho segundo o EspiritismoCapítulo XBEM-AVENTURADOS OS MISERICORDIOSOS – itens 7 e 8.

 

O Sacrifício Mais Agradável A Deus

 

 7 – Portanto, se estás fazendo a tua oferta diante do altar, e te lembrar aí que teu irmão tem alguma coisa contra ti, deixa ali a tua oferta diante do altar, e vai te reconciliar primeiro com teu irmão, e depois virás fazer a tua oferta. (Mateus, V: 23 e 24)

 

8 – Quando Jesus disse: “Vai te reconciliar primeiro com teu irmão, e depois virás fazer a tua oferta”, ensinou que o sacrifício mais agradável ao Senhor é o dos próprios ressentimentos:

que antes de pedir perdão ao Senhor, é preciso que se perdoe aos outros,

e que, se algum mal se tiver feito contra um irmão, é necessário tê-lo reparado.

 

Somente assim a oferenda será agradável, porque é proveniente de um coração puro de qualquer mau pensamento.

 

Ele materializa esse preceito, porque os judeus ofereciam sacrifícios materiais e era necessário conformar as suas palavras aos costumes do povo.

O cristão não oferece prendas materiais, pois que espiritualizou o sacrifício, mas o preceito não tem menos força para ele.

 

Oferecendo sua alma a Deus, deve apresentá-la purificada.

 

Ao entrar no templo do Senhor, deve deixar lá fora todo sentimento de ódio e de animosidade, todo mau pensamento contra seu irmão.

 

Só então sua prece será levada pelos anjos aos pés do Eterno.

 

Eis o que ensina Jesus por essas palavras:

“Deixai ali a tua oferta diante do altar, e vai te reconciliar primeiro com teu irmão”, se queres ser agradável a Deus.

 

 

Romanos 12 : 2 – E não vos conformeis com este século,

mas transformai-vos pela renovação da vossa mente,

para que experimenteis qual seja a boa, agradável e perfeita vontade de Deus.

 

 

Livro : Filosofia Espírita  XIV –  Capítulo 10Espírito MiramezPsicografado por João Nunes Maiaitem 673.

 

673/LE

 

AS COISAS AGRADÁVEIS A DEUS

 

Tudo o que Deus fez é agradável a Ele.

O homem é um aprendiz do Senhor, e sendo Seu filho certamente que tem a obrigação de acompanhar a seu Pai em todos os sentidos.

Não diz a Bíblia que o homem é semelhante ao Criador ?

 

Gênesis 1 : 27 – Criou Deus, pois, o homem à sua imagem, à imagem de Deus o criou;

homem e mulher os criou.

 

 

Como é que os pais da Terra ficam satisfeitos com as criancinhas ou com os seus filhos adultos ?

Não é da mesma maneira;

a criancinha, com um simples sorriso,

e o adulto com a sua boa conduta.

 

O Espírito primitivo que não tem outra condição de adorar a Deus, o faz à sua maneira, sacrificando animais e enchendo o altar de frutas, ou quaisquer outros objetos.

Deus fica satisfeito, conhecendo sua dimensão e o modo que vive,

ao passo que o adulto, o Espírito sábio, já deve adorar a Deus em Espírito e verdade, por já compreender a vida em outra faixa.

 

João  4 : 24 – Deus é espírito;

e importa que os seus adoradores o adorem em espírito e em verdade.

 

 

Aos objetos que os primitivos usam, ele já dá outro destino, mais útil às criaturas.

 

Na verdade, a melhor oferta é o amor;

amemos a tudo e a todos que estaremos amando a Deus, dando ao Senhor a melhor oferta.

 

João  15 : 12 – O meu mandamento é este:

que vos ameis uns aos outros, assim como eu vos amei.

 

I João  4 : 7 – 8

Amados, amemo-nos uns aos outros, porque o amor procede de Deus;

e todo aquele que ama é nascido de Deus e conhece a Deus.

 

Aquele que não ama não conhece a Deus,

pois Deus é amor.

 

 

Jesus deu rumo novo aos preceitos velhos.

 

Hebreus 8 : 6 – 7; 13

Agora, com efeito, obteve Jesus ministério tanto mais excelente,

quanto é ele também Mediador de superior aliança instituída com base em superiores promessas.

 

Porque, se aquela primeira aliança tivesse sido sem defeito,

de maneira alguma estaria sendo buscado lugar para uma segunda.

 

13 Quando ele diz Nova, torna antiquada a primeira.

Ora, aquilo que se torna antiquado e envelhecido está prestes a desaparecer.

 

 

Vamos lembrar o que anotou Lucas, no capítulo seis, versículo vinte e nove:

Ao que te bate numa face, oferece-lhe também a outra;

e ao que tirar a tua capa, deixa-o levar também a túnica.

 

 

Por esses ensinamentos de Jesus, está excluída do Evangelho toda a violência.

 

O que foi anotado pelo apóstolo, é o perdão dentro da sua pureza.

 

O não revide é tônica do grande Mestre.

 

Eis aí a maior oferenda a Deus: o perdão sem condições.

 

A quem, pois, que te ferir de um lado, dá-lhe o outro;

se alguém te tirar a capa, dá igualmente a túnica.

 

O Mestre é todo amor, pelo que Ele viveu e ensinou aos Seus seguidores.

 

 

Vamos fazer uma pausa no estudo de Miramez, para complementarmos com um texto do Evangelho segundo o Espiritismo.

 

Livro : O Evangelho segundo o EspiritismoCapítulo XIIAMAI OS VOSSOS INIMIGOSitens 7 e 8Se alguém vos ferir na face direita, oferecei-lhe também a outra.

 

Se Alguém Te Ferir Na Face Direita

 

7 – Vós tendes ouvido o que se disse: Olho por olho e dente por dente.

 

Eu, porém, digo-vos que não resistais ao mal;

 

mas se alguém te ferir na tua face direita, oferece-lhe também a outra;

 

e ao que quer demandar-te em juízo, e tirar-te a túnica, larga-lhe também a capa;

 

e se alguém te obrigar a ir carregado mil passos, vai com ele ainda mais outros dois mil.

 

Dá a quem te pede, e não volte às costas ao que deseja que lhe emprestes. (Mateus, V: 38-42).

 

 

8 – Os preconceitos do mundo, a respeito daquilo que se convencionou chamar ponto de honra,

 

dão esta suscetibilidade sombria, nascida do orgulho e do exagerado personalismo,

que leva o homem à geralmente retribuir injúria por injúria, golpe por golpe,

o que parece muito justo para aqueles cujo senso moral não se eleva acima das paixões terrenas.

 

 

Eis por que dizia a lei mosaica:

Olho por olho e dente por dente, mantendo-se em harmonia com o tempo em que Moisés vivia.

 

Êxodo 21 : 23 – 25

23  Mas, se houver dano grave, então, darás vida por vida,

24  olho por olho, dente por dente, mão por mão, pé por pé,

25  queimadura por queimadura, ferimento por ferimento, golpe por golpe.

 

 

Mas veio o Cristo e disse: “Não resistais aos que vos fizer mal;

mas se alguém te ferir na tua face direita, oferece-lhe também a outra”.

 

Para o orgulhoso, esta máxima parece uma covardia,

porque ele não compreende que há mais coragem em suportar um insulto, que em se vingar.

E isto, sempre, por aquele motivo que não lhe permite enxergar além do presente.

 

Deve-se, entretanto, tomar essa máxima ao pé da letra?

Não, da mesma maneira que aquela que manda arrancar o olho, se ele for  causa de escândalo.

 

Levada as últimas consequências, ela condenaria toda repressão, mesmo legal, e deixaria os campos livres aos maus, que nada teriam a temer;

não se pondo freio às suas agressões, bem logo todos os bons seriam suas vítimas.

 

O próprio instinto de conservação, que é uma lei da natureza, nos diz que não devemos entregar de boa-vontade o pescoço ao assassino.

 

Por essas palavras, Jesus não proibiu a defesa, mas condenou a vingança.

 

Dizendo-nos, para oferecer uma face quando formos batidos na outra,

disse, por outras palavras,

que não devemos retribuir o mal com o mal;

 

 

Romanos 12 : 17 – 18

17  Não torneis a ninguém mal por mal;

esforçai-vos por fazer o bem perante todos os homens;

 

18  se possível, quanto depender de vós,

tende paz com todos os homens;

 

 

……..que o homem deve aceitar com humildade, tudo o que tende a reduzir-lhe o orgulho;

 

I Pedro 5 : 5 – 7

Rogo igualmente aos jovens: sede submissos aos que são mais velhos;

outrossim, no trato de uns com os outros, cingi-vos todos de humildade,

porque Deus resiste aos soberbos,

contudo, aos humildes concede a sua graça.

 

Humilhai-vos, portanto, sob a poderosa mão de Deus,

para que ele, em tempo oportuno, vos exalte,

 

lançando sobre ele toda a vossa ansiedade, porque ele tem cuidado de vós.

 

 

…..que é mais glorioso para ele ser ferido que ferir;

 

Mateus 5 : 39 – Eu, porém, vos digo: não resistais ao perverso;

mas, a qualquer que te ferir na face direita, volta-lhe também a outra;

 

 

…..suportar pacientemente uma injustiça que cometê-la;

 

Tiago 1 : 12 – Bem-aventurado o homem que suporta, com perseverança, a provação;

porque, depois de ter sido aprovado,

receberá a coroa da vida, a qual o Senhor prometeu aos que o amam.

 

I Pedro 2 : 20 – Pois que glória há, se, pecando e sendo esbofeteados por isso, o suportais com paciência?

Se, entretanto, quando praticais o bem, sois igualmente afligidos

e o suportais com paciência, isto é grato a Deus.

 

 

…..que mais vale ser enganado que enganar,

ser arruinado que arruinar os outros.

 

Provérbios 26 : 18 – 19

18  Como o louco que lança fogo, flechas e morte,

19  assim é o homem que engana a seu próximo

e diz: Fiz isso por brincadeira.

 

 

Isto, ao mesmo tempo, é a condenação do duelo, que nada mais é que uma manifestação do orgulho.

A fé na vida futura e na justiça de Deus, que jamais deixa o mal impune, é a única que nos pode dar força de suportar, pacientemente, os atentados aos nossos interesses e ao nosso amor próprio.

 

Eis por que vos dizemos incessantemente: voltai os vossos olhos para o futuro;

quanto mais vos elevardes, pelo pensamento, acima da vida material, menos sereis feridos pelas coisas da Terra.

 

Filipenses 4 : 8 – Finalmente, irmãos, tudo o que é verdadeiro,

tudo o que é respeitável,

tudo o que é justo,

tudo o que é puro,

tudo o que é amável,

tudo o que é de boa fama,

se alguma virtude há e se algum louvor existe,

seja isso o que ocupe o vosso pensamento.

 

 

Voltando ao texto de Miramez :

 

O Deus verdadeiro é esse que falou pela boca de Jesus,

estimulando o bem e instruindo a todas as criaturas para que haja paz nas consciências.

 

João 5 : 36 – 37

36  Mas eu tenho maior testemunho do que o de João;

 

porque as obras que o Pai me confiou para que eu as realizasse,

essas que eu faço testemunham a meu respeito de que o Pai me enviou.

 

37  O Pai, que me enviou,

esse mesmo é que tem dado testemunho de mim.

 

Jamais tendes ouvido a sua voz, nem visto a sua forma.

 

 

João 17 : 3 – E a vida eterna é esta :

que te conheçam a ti, o único Deus verdadeiro,

e a Jesus Cristo, a quem enviaste.

 

 

Se queres agradar a Deus todos os dias, faze o bem,

sem que entre nesse gesto o vírus do interesse,

ou o corrosivo do egoísmo, que tem sempre a participação do orgulho.

 

 

Mateus 6 : 1 – 4

Guardai-vos de exercer a vossa justiça diante dos homens, com o fim de serdes vistos por eles;

doutra sorte, não tereis galardão junto de vosso Pai celeste.

 

2 Quando, pois, deres esmola, não toques trombeta diante de ti, como fazem os hipócritas, nas sinagogas e nas ruas, para serem glorificados pelos homens.

Em verdade vos digo que eles já receberam a recompensa.

 

Tu, porém, ao dares a esmola, ignore a tua mão esquerda o que faz a tua mão direita;

4 para que a tua esmola fique em secreto;

e teu Pai, que vê em secreto, te recompensará.

 

 

Se queres honrar a Deus,

não deves esquecer de aprimorar a honestidade,

de minorar o sofrimento alheio,

de dar com uma mão sem que a outra participe.

 

 

O que passou, passou.

Os meios grosseiros de agradar a Deus, eram para a época da ignorância;

depois de Jesus, não podem mais existir esses métodos inferiores.

 

O pensamento é o instrumento mais direto para falarmos com o Senhor,

mostrando a Ele pelos fatos, que estamos andando nas linhas traçadas pelo Evangelho,

onde Jesus deu exemplo, até a última hora, dos Seus testemunhos.

 

Todo aquele que ama as coisas exteriores, têm realmente “vista acanhada” e ainda dorme no clima da ignorância.

 

O nosso amor deve atingir a tudo, principalmente ao Criador, e para tanto não é preciso ofertas materiais.

 

Mateus 22 : 36 – 40

36  Mestre, qual é o grande mandamento na Lei?

37  Respondeu-lhe Jesus: Amarás o Senhor, teu Deus, de todo o teu coração, de toda a tua alma e de todo o teu entendimento.

 

38  Este é o grande e primeiro mandamento.

 

39  O segundo, semelhante a este, é: Amarás o teu próximo como a ti mesmo.

 

40  Destes dois mandamentos dependem toda a Lei e os Profetas.

 

 

Por que dar a quem é dono de tudo ?

 

A criança é que pede ao pai dinheiro para comprar presente para o próprio pai,

e quem faz ofertas materiais a Deus,

o faz por ser criança na escala da vida espiritual.

 

 

Quem já está crescido em Cristo, deve saber como adorar a Deus nos moldes ensinados pelo Senhor Jesus Cristo.

 

Oferta a Deus hoje, uma prece de gratidão por tudo que já recebeste das Suas mãos poderosas e santas.

Faze isso e verás o que podes sentir, no retorno dos teus sentimentos de amor para com o Pai.

 

Colossenses 3 : 16 – 17

16 Habite, ricamente, em vós a palavra de Cristo;

instruí-vos e aconselhai-vos mutuamente em toda a sabedoria,

louvando a Deus, com salmos, e hinos, e cânticos espirituais, com gratidão, em vosso coração.

 

17  E tudo o que fizerdes, seja em palavra, seja em ação,

fazei-o em nome do Senhor Jesus, dando por ele graças a Deus Pai.

 

 

LEIS MORAIS – LEI DA ADORAÇÃO – 672 – SACRIFÍCIOS – A oferenda dos frutos da terra teria mais mérito aos olhos de Deus, que o sacrifício dos animais?

15 maio

LEIS MORAISLEI DA ADORAÇÃO672SACRIFÍCIOSA oferenda dos frutos da terra teria mais mérito aos olhos de Deus, que o sacrifício dos animais?

 

Livro : O Livro dos EspíritosParte TerceiraLeis MoraisCapítulo IILei da AdoraçãoSacrifíciositem 672.

 

672. A oferenda dos frutos da terra teria mais mérito aos olhos de Deus, que o sacrifício dos animais?

     — Já vos respondi ao dizer que Deus julgaria a intenção,

e que o fato em si teria pouca importância para ele.

 

Seria, evidentemente, mais agradável a Deus a oferenda de frutos da terra que a de sangue das vítimas.

 

 

Salmos 7 : 8 – O SENHOR julga os povos;

julga-me, SENHOR, segundo a minha retidão e segundo a integridade que há em mim.

 

Marcos 12 : 32 – 33

32  Disse-lhe o escriba: Muito bem, Mestre, e com verdade disseste que

Ele é o único, e não há outro senão Ele,

 

33  e que amar a Deus de todo o coração e de todo o entendimento e de toda a força,

e amar ao próximo como a si mesmo,

excede a todos os holocaustos e sacrifícios.

 

 

Como vos dissemos e repetimos sempre,

a prece dita do fundo do coração é cem vezes mais agradável a Deus que todas as oferendas que lhe pudésseis fazer.

Repito que a intenção é tudo e o fato, nada vale.

 

Mateus 6 : 5 – 8

E, quando orardes, não sereis como os hipócritas;

porque gostam de orar em pé nas sinagogas e nos cantos das praças, para serem vistos dos homens.

Em verdade vos digo que eles já receberam a recompensa.

 

Tu, porém, quando orares, entra no teu quarto e, fechada a porta, orarás a teu Pai, que está em secreto;

e teu Pai, que vê em secreto, te recompensará.

 

E, orando, não useis de vãs repetições, como os gentios;

porque presumem que pelo seu muito falar serão ouvidos.

 

Não vos assemelheis, pois, a eles;

porque Deus, o vosso Pai, sabe o de que tendes necessidade, antes que lho peçais.

 

 

Livro : Filosofia Espírita  XIV –  Capítulo 9Espírito MiramezPsicografado por João Nunes Maiaitem 672.

 

672/LE

 

OFERENDA DE FRUTOS

 

A oferenda de frutos já é mais um passo que os seres humanos deram na escala do seu progresso.

De animais para frutos, sendo que hoje, alguns já passaram para as fumaças e preces decoradas.

 

Mateus 6 : 7 – E, orando, não useis de vãs repetições, como os gentios;

porque presumem que pelo seu muito falar serão ouvidos.

 

 

Os seres humanos, e mesmo alguns Espíritos, querem agradar a Deus com alguma coisa,

por ainda não serem capazes de oferecer a Ele o esforço próprio para melhorarem a sua vida.

 

Lucas 16 : 16 – A Lei e os Profetas vigoraram até João;

desde esse tempo, vem sendo anunciado o evangelho do reino de Deus,

e todo homem se esforça por entrar nele.

 

 

A melhor oração que se deve fazer, se já se encontra na condição de senti-la, é o esforço no aprimoramento consciente da alma.

Exercitar todos os dias é um trabalho valioso, que faz sorrir os Espíritos elevados.

 

Colossenses 3 : 8 – 14

Agora, porém, despojai-vos, igualmente, de tudo isto:

ira, indignação, maldade, maledicência, linguagem obscena do vosso falar.

 

Não mintais uns aos outros, uma vez que vos despistes do velho homem com os seus feitos

 

10  e vos revestistes do novo homem que se refaz para o pleno conhecimento, segundo a imagem daquele que o criou;

 

11  no qual não pode haver grego nem judeu, circuncisão, nem incircuncisão, bárbaro, cita, escravo, livre;

porém Cristo é tudo em todos.

 

12  Revesti-vos, pois, como eleitos de Deus, santos e amados,

de ternos afetos de misericórdia, de bondade, de humildade, de mansidão, de longanimidade.

 

13  Suportai-vos uns aos outros, perdoai-vos mutuamente, caso alguém tenha motivo de queixa contra outrem.

 

Assim como o Senhor vos perdoou, assim também perdoai vós;

 

14  acima de tudo isto, porém,

 

esteja o amor,

que é o vínculo da perfeição.

 

 

O homem consciente da verdade reconhece que a Deus não interessa a oferenda de sangue de animais, de homens, ou mesmo de frutos.

 

Marcos 12 : 33 – e que amar a Deus de todo o coração e de todo o entendimento e de toda a força,

e amar ao próximo como a si mesmo

excede a todos os holocaustos e sacrifícios.

 

 

São Espíritos inferiores que requerem coisas materiais, por estarem ainda ligados à Terra, por processos de paixões inferiores que ainda alimentam.

 

Infelizmente, ainda se veem no mundo oferendas grosseiras nos terreiros, onde a cultura espiritualista não existe, sacrificando animais,

e os que se dizem instrumentos dos Espíritos ignorantes, tomando o sangue quente dos irmãos inferiores,

e ofertando aos mesmos deuses do passado, o mesmo líquido rubro dos pobres seres que vêm à nossa retaguarda.

 

A Doutrina dos Espíritos chegou na hora certa para falar a verdade,

e devemos raciocinar sobre a mensagem recebida do mundo espiritual

e provar se ela “provém de Deus”, no dizer do apóstolo João.

 

 

I João 4 : 1 – Amados, não deis crédito a qualquer espírito;

antes, provai os espíritos se procedem de Deus,

porque muitos falsos profetas têm saído pelo mundo fora.

 

 

Para o homem educado no Evangelho, esse ato que não condiz com o amor deve ser esquecido.

Estamos no carro da evolução que o progresso  aciona sempre.

Não devemos olhar para trás, para não nos tornarmos pedra.

 

O Espírita esclarecido não deve perder tempo com coisas vãs;

 

o dinheiro que se gasta com velas, bebidas fortes, farofas e alguma coisa a mais, em oferenda aos Espíritos inferiores,

 

deve-se gastar para alimentar os próprios homens,

seus irmãos que passam fome, que se encontram nus e sem teto

e que, talvez, sejam até parentes daqueles a quem se está fazendo essas ofertas, que são incompatíveis com os tempos atuais.

 

 

Mateus 25 : 34 – 40

34  então, dirá o Rei aos que estiverem à sua direita:

Vinde, benditos de meu Pai!

Entrai na posse do reino que vos está preparado desde a fundação do mundo.

 

35  Porque tive fome, e me destes de comer;

tive sede, e me destes de beber;

era forasteiro, e me hospedastes;

 

36  estava nu, e me vestistes;

enfermo, e me visitastes;

preso, e fostes ver-me.

 

37  Então, perguntarão os justos:

Senhor, quando foi que te vimos com fome e te demos de comer?

Ou com sede e te demos de beber?

 

38  E quando te vimos forasteiro e te hospedamos?

Ou nu e te vestimos?

 

39  E quando te vimos enfermo ou preso e te fomos visitar?

 

40  O Rei, respondendo, lhes dirá:

Em verdade vos afirmo que,

sempre que o fizestes a um destes meus pequeninos irmãos, a mim o fizestes.

 

 

Quase sempre notamos que os ofertantes são pessoas que não possuem aquilo que doam;

esquecem-se deles, para ofertar e alimentar vícios espirituais.

 

O tempo chegou para nos dizer “basta”.

Os homens já não são mais crianças;

a maturidade é o sinal para se amar a Deus sobre todas as coisas, em Espírito e verdade.

 

Hebreus 5 : 13 – 14

13  Ora, todo aquele que se alimenta de leite é inexperiente na palavra da justiça, porque é criança.

 

14  Mas o alimento sólido é para os adultos,

para aqueles que, pela prática,

têm as suas faculdades exercitadas para discernir não somente o bem, mas também o mal.

 

João 4 : 24 – Deus é espírito;

e importa que os seus adoradores o adorem em espírito e em verdade.

 

 

Tornamos a repetir que a melhor oferenda a Deus, e mesmo aos guias espirituais que nos circundam, é o amor,

é o esforço em adquirir e alimentar as virtudes evangélicas,

agradecendo ao Senhor por tudo que recebemos pelos canais de Jesus, em se usando a Natureza.

 

 

Colossenses 3 : 12 – 14

12  Revesti-vos, pois, como eleitos de Deus, santos e amados,

de ternos afetos de misericórdia,

de bondade,

de humildade,

de mansidão,

de longanimidade.

 

13  Suportai-vos uns aos outros,

perdoai-vos mutuamente, caso alguém tenha motivo de queixa contra outrem.

Assim como o Senhor vos perdoou, assim também perdoai vós;

 

14  acima de tudo isto, porém,

esteja o amor,

que é o vínculo da perfeição.

 

 

I Pedro 1 : 5 – 7

por isso mesmo, vós, reunindo toda a vossa diligência,

associai com a vossa fé a virtude;

com a virtude, o conhecimento;

 

com o conhecimento, o domínio próprio;

com o domínio próprio, a perseverança;

com a perseverança, a piedade;

 

com a piedade, a fraternidade;

com a fraternidade, o amor.

 

 

Estamos sendo chamados e escolhidos

 

para a grande guerra, no eterno da intimidade de cada um,

luta essa que somente nós mesmos somos capazes de vencer,

 

e as armas para tal desempenho são o amor e a caridade.

 

Somente essa dupla salva, sob as bênçãos de Deus e de Cristo.

 

Acordemos e vamos nas pegadas do Mestre dos mestres,

porque Ele é o representante direto de Deus na Terra.

 

 

Mateus 22 : 1 – 14

De novo, entrou Jesus a falar por parábolas, dizendo-lhes:

 

O reino dos céus é semelhante a um rei que celebrou as bodas de seu filho.

 

Então, enviou os seus servos a chamar os convidados para as bodas;

mas estes não quiseram vir.

 

Enviou ainda outros servos, com esta ordem:

Dizei aos convidados: Eis que já preparei o meu banquete;

os meus bois e cevados já foram abatidos, e tudo está pronto;

vinde para as bodas.

 

Eles, porém, não se importaram e se foram, um para o seu campo, outro para o seu negócio;

e os outros, agarrando os servos, os maltrataram e mataram.

 

O rei ficou irado e, enviando as suas tropas, exterminou aqueles assassinos e lhes incendiou a cidade.

 

Então, disse aos seus servos: Está pronta a festa, mas os convidados não eram dignos.

 

Ide, pois, para as encruzilhadas dos caminhos e convidai para as bodas a quantos encontrardes.

 

10  E, saindo aqueles servos pelas estradas, reuniram todos os que encontraram, maus e bons;

e a sala do banquete ficou repleta de convidados.

 

11  Entrando, porém, o rei para ver os que estavam à mesa, notou ali um homem que não trazia veste nupcial

 

12  e perguntou-lhe: Amigo, como entraste aqui sem veste nupcial?

E ele emudeceu.

 

13  Então, ordenou o rei aos serventes:

Amarrai-o de pés e mãos e lançai-o para fora, nas trevas;

ali haverá choro e ranger de dentes.

 

14  Porque muitos são chamados, mas poucos, escolhidos.

 

 

Livro : O Evangelho segundo o EspiritismoCapítulo XXVIIIMUITOS OS CHAMADOS E POUCOS OS ESCOLHIDOS itens 2 e 16.

 

Parábola da Festa de Núpcias

 

2 – O incrédulo ri desta parábola, que lhe parece de uma pueril ingenuidade, pois não admite que haja tantas dificuldades para realização de um banquete, e ainda mais quando os convidados chegam a ponto de massacrar os enviados do dono da casa.

 

“As parábolas – diz ele – são naturalmente alegorias, mas não devem passar os limites do possível”.

 

O mesmo se pode dizer de todas as alegorias, das fábulas mais engenhosas, se não lhes descobrimos o sentido oculto.

Jesus se inspirava nas usanças mais comuns da vida, e adaptava as suas parábolas aos costumes e ao caráter do povo a que se dirigia.

 

A maioria delas tinha por fim fazer penetrar nas massas populares a ideia da vida espiritual;

e seu sentido só parece incompreensível para os que não se colocam nesse ponto de vista.

 

Nesta parábola, por exemplo, Jesus compara o Reino dos Céus, onde tudo é felicidade e alegria, a uma festa nupcial.

 

Os primeiros convidados são os judeus, que Deus havia chamado em primeiro lugar para o conhecimento da sua lei.

 

Os enviados do rei são os profetas, que convidaram os judeus a seguir o caminho da verdadeira felicidade,

mas cujas palavras foram pouco ouvidas,

cujas advertências foram desprezadas,

e muitos deles foram mesmo massacrados, como os servos da parábola.

 

Os convidados que deixam de comparecer, alegando que tinham de cuidar de seus campos e de seus negócios,

representam as pessoas mundanas,

que, absorvidas pelas coisas terrenas,

mostram-se indiferentes para as coisas celestes.

 

Acreditavam os judeus de então que a sua nação devia conquistar a supremacia sobre todas as outras.

Pois não havia Deus prometido a Abraão que a sua posterioridade cobriria a Terra inteira?

Tomando sempre a forma pelo fundo, eles se julgavam destinados a uma dominação efetiva, no plano material.

 

Antes da vinda do Cristo, com exceção dos hebreus, todos os povos eram politeístas e idólatras.

Se alguns homens superiores haviam atingido a ideia da unidade divina, essa ideia entretanto permanecia como sistema pessoal, pois em nenhuma parte foi aceita como verdade fundamental, a não ser por alguns iniciados, que ocultavam os seus conhecimentos sob formas misteriosas, impenetráveis à compreensão do povo.

 

Os judeus foram os primeiros que praticaram publicamente o monoteísmo.

Foi a eles que Deus transmitiu a sua lei;

primeiro através de Moisés, depois através de Jesus.

 

Desse pequeno foco partiu a luz que devia expandir-se pelo mundo inteiro, triunfar do paganismo e dar a Abraão uma posterioridade espiritual “tão numerosa como as estrelas do firmamento”.

 

Mas os judeus, embora repelindo a idolatria, haviam negligenciado a lei moral, para se dedicar à prática mais fácil do culto exterior.

 

O mal chegara ao cúmulo: a nação, dominada pelos romanos, estava esfacelada pelas facções, dividida pelas seitas;

a própria incredulidade havia atingido até mesmo o santuário.

 

Foi então que Jesus apareceu, enviado para chamá-los à observação da lei

e para abrir-lhes os novos horizontes da vida futura.

 

Primeiros convidados ao banquete da fé universal, eles repeliram, porém, as palavras do celeste Messias, e o sacrificaram.

Foi assim que perderam o fruto que deviam colher da sua própria iniciativa.

 

Seria injusto, entretanto, acusar o povo inteiro por essa situação.

 

A responsabilidade coube principalmente aos fariseus e aos saduceus,

que puseram a nação a perder,

os primeiros pelo seu orgulho e fanatismo,

e os segundos pela sua incredulidade.

 

São eles, sobretudo, que Jesus compara aos convidados que se negaram a comparecer ao banquete de núpcias,

e acrescenta que o rei, vendo isso, mandou convidar a todos os que fossem encontrados nas ruas, bons e maus.

 

Fazia entender assim que a palavra seria pregada a todos os outros povos, pagãos e idólatras,

e que estes, aceitando-a, seriam admitidos à festa de núpcias em lugar dos primeiros convidados.

 

Mas não basta ser convidado;

não basta dizer-se cristão,

nem tampouco sentar-se à mesa para participar do banquete celeste.

 

É necessário, antes de tudo,

e como condição expressa,

vestir a túnica nupcial,

 

ou seja, purificar o coração

e praticar a lei segundo o espírito,

pois essa lei se encontra inteira nestas palavras:

 

Fora da caridade não há salvação.

 

Mateus 25 : 31 – 45

31  Quando vier o Filho do Homem na sua majestade e todos os anjos com ele, então, se assentará no trono da sua glória;

 

32  e todas as nações serão reunidas em sua presença, e ele separará uns dos outros, como o pastor separa dos cabritos as ovelhas;

33  e porá as ovelhas à sua direita, mas os cabritos, à esquerda;

 

34  então, dirá o Rei aos que estiverem à sua direita:

Vinde, benditos de meu Pai! Entrai na posse do reino que vos está preparado desde a fundação do mundo.

 

35  Porque tive fome, e me destes de comer;

tive sede, e me destes de beber;

era forasteiro, e me hospedastes;

 

36  estava nu, e me vestistes;

enfermo, e me visitastes;

preso, e fostes ver-me.

 

37  Então, perguntarão os justos: Senhor, quando foi que te vimos com fome e te demos de comer?

Ou com sede e te demos de beber?

 

38  E quando te vimos forasteiro e te hospedamos?

Ou nu e te vestimos?

 

39  E quando te vimos enfermo ou preso e te fomos visitar?

 

40  O Rei, respondendo, lhes dirá:

Em verdade vos afirmo que,

sempre que o fizestes a um destes meus pequeninos irmãos,

a mim o fizestes.

 

41  Então, o Rei dirá também aos que estiverem à sua esquerda: Apartai-vos de mim, malditos, para o fogo eterno, preparado para o diabo e seus anjos.

 

42  Porque tive fome, e não me destes de comer;

tive sede, e não me destes de beber;

 

43  sendo forasteiro, não me hospedastes;

estando nu, não me vestistes;

achando-me enfermo e preso, não fostes ver-me.

 

44  E eles lhe perguntarão: Senhor, quando foi que te vimos com fome, com sede, forasteiro, nu, enfermo ou preso e não te assistimos?

 

45  Então, lhes responderá:

Em verdade vos digo que, sempre que o deixastes de fazer a um destes mais pequeninos,

a mim o deixastes de fazer.

 

 

Mas entre todos os que ouvem a palavra divina, quão poucos são os que guardam e a aproveitam!

Quão poucos se tornam dignos de entrar no Reino dos Céus!

 

Foi por isso que Jesus disse:

Muitos serão os chamados e poucos os escolhidos.

 

 

Reconhece-se O Cristão Pelas Suas Obras

16 – “Nem todos os que me dizem Senhor, Senhor, entrarão no Reino dos Céus, mas somente o que faz a vontade de meu Pai, que está nos Céus”.

 

Mateus 7 : 21 – 23

21  Nem todo o que me diz: Senhor, Senhor!

entrará no reino dos céus,

mas aquele que faz a vontade de meu Pai, que está nos céus.

 

22  Muitos, naquele dia, hão de dizer-me: Senhor, Senhor!

Porventura, não temos nós profetizado em teu nome,

e em teu nome não expelimos demônios,

e em teu nome não fizemos muitos milagres?

 

23  Então, lhes direi explicitamente:

nunca vos conheci.

 

Apartai-vos de mim, os que praticais a iniquidade.

 

 

Escutai estas palavras do Mestre, todos vós que repelis a Doutrina Espírita como obra do demônio!

Abri os vossos ouvidos, pois chegou o momento de ouvir!

 

 

Mateus 7 : 15 – 20

15  Acautelai-vos dos falsos profetas,

que se vos apresentam disfarçados em ovelhas,

mas por dentro são lobos roubadores.

 

16  Pelos seus frutos os conhecereis.

Colhem-se, porventura, uvas dos espinheiros ou figos dos abrolhos?

 

17  Assim, toda árvore boa produz bons frutos,

porém a árvore má produz frutos maus.

 

18  Não pode a árvore boa produzir frutos maus,

nem a árvore má produzir frutos bons.

 

19  Toda árvore que não produz bom fruto é cortada e lançada ao fogo.

 

20  Assim, pois, pelos seus frutos os conhecereis.

 

 

Será suficiente estar a serviço do Senhor, para ser um fiel servidor?

Será bastante dizer:“ Sou cristão ”, para seguir o Cristo?

 

Procurai os verdadeiros cristãos e os reconhecereis pelas suas obras.

 

“Uma árvore boa não pode dar maus frutos, nem uma árvore má dar bons frutos”.

– “Toda árvore que não der bons frutos será cortada e lançada no fogo”.

 

– Eis as palavras do Mestre.

Discípulos do Cristo, compreendei-as bem!

 

Quais os frutos que a árvore do Cristianismo deve dar, árvore possante, cujos ramos frondosos cobrem com a sua sombra uma parte do mundo,

mas ainda não abrigaram a todos os que devem reunir-se em seu redor?

 

Os frutos da árvore da vida são frutos de vida, de esperança e fé.

 

O Cristianismo, como o vem fazendo desde muitos séculos, prega sempre essas divinas virtudes, procurando distribuir os seus frutos.

 

Mas quão poucos os colhem!

 

A árvore é sempre boa, mas os jardineiros são maus.

 

Quiseram moldá-la segundo as suas ideias, modelá-la de acordo com as suas conveniências.

Para isso a cortaram, diminuíram, mutilaram.

Seus ramos estéreis já não produzem maus frutos, pois nada mais produzem.

 

O viajor sedento que se acolhe à sua sombra, procurando o fruto de esperança, que lhe deve dar força e coragem, encontra apenas os ramos ressequidos, pressagiando mau tempo.

 

É em vão que busca o fruto da vida na árvore da vida: as folhas tombam secas aos pés.

As mãos do homem tanto as trabalharam, que acabaram por queimá-las.

 

Abri, pois, vossos ouvidos e vossos corações, meus bem amados!

Cultivai esta árvore da vida, cujos frutos proporcionam a vida eterna.

 

Aquele que a plantou vos convida a cuidá-la com amor, que ainda a vereis dar com abundância os seus frutos divinos.

 

Deixai-a assim como o Cristo vo-la deu: não a mutileis.

Sua sombra imensa quer estender-se por todo o universo;

não lhe corte a ramagem. 

 

Seus frutos generosos caem em abundância, para alentar o viajor cansado, que deseja chegar ao seu destino.

Não os amontoeis, para guardá-los e deixá-los apodrecer, sem servirem a ninguém.

 

“São muitos os chamados e poucos os escolhidos”.

 

É que há os monopolizadores do pão da vida, como os há do pão material.

Não vos coloqueis entre eles;

a árvore que dá bons frutos deve distribuí-los para todos.

 

Ide, pois, procurar os necessitados;

conduzi-os sob as ramagens da árvore

e partilhai com eles o abrigo que ela vos oferece.

 

“Não se colhem uvas dos espinheiros”.

Meus irmãos, afastai-vos, pois, dos que vos chamam para apontar os tropeços do caminho,

e segui os que vos conduzem à sombra da árvore da vida.

 

O divino Salvador, o justo por excelência, disse, e suas palavras não passarão:

“Os que me dizem Senhor, Senhor, nem todos entrarão no Reino dos Céus,

mas somente aqueles que fazem a vontade de meu Pai, que está nos Céus”.

 

Que o Senhor das bênçãos vos abençoe, que o Deus da luz vos ilumine;

que a árvore da vida vos faça com abundância a oferenda dos seus frutos!

 

Credes e orai!

Espírito SIMEÃOBordeaux1863.